Info

Ordem quer alargar cheques dentista a todas as crianças a partir dos dois anos

Ordem quer alargar cheques dentista a todas as crianças a partir dos dois anos
| País
Porto Canal com Lusa

A Ordem dos Médicos Dentistas defende o alargamento dos cheques dentista a todas as crianças a partir dos dois anos, sublinhando que mais de 60% das crianças menores de seis anos nunca foi a um dentista.

Segundo o barómetro da saúde oral 2018, a que a agência Lusa teve acesso, 63% das crianças em idade pré-escolar nunca visitou um médico dentista.

Na população geral, esta percentagem reduz-se para metade, sendo cerca de 30% os portugueses que nunca vão ao dentista ou só em caso de urgência.

O bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas considera que é "um erro brutal em termos de saúde pública" só acompanhar de forma regular as crianças a partir dos seis anos.

Atualmente, o cheque dentista é distribuído a partir dos seis anos e abrange apenas as crianças que frequentam escolas do ensino público.

"Aos 24 meses já têm a sua dentição temporária colocada na boca e é também necessário tratar os dentes de leite. São dentes temporários, mas são dentes para conservar e tratar", afirma Orlando Monteiro da Silva, em declarações à Lusa a propósito do barómetro da saúde oral relativo a 2018.

O bastonário indica que há a perceção errada de que os dentes de leite não são para cuidar, vigiar e tratar e apela a que pais e educadores "higienizem e tratem os dentes de leite exatamente como os definitivos".

"O cheque dentista devia estar disponível a qualquer criança a partir dos dois anos, sendo uma medida que iria diminuir ainda de forma mais vincada a prevalência de cárie dentária", considera Orlando Monteiro da Silva, sublinhando que é "constrangedor ver crianças de 4 ou 5 anos com os dentes temporários todos cariados".

Segundo o barómetro da saúde oral 2018, quatro em cada dez portugueses não vão ao dentista há mais de um ano e quase um terço da população diz que nunca vai ao dentista ou só vai em caso de urgência.

Entre 2014 e 2018 aumentou ainda o número de pessoas que não consulta o dentista há mais de dois anos.

No ano que terminou, 41,6% dos portugueses indicaram que não visitavam um dentista há mais de um ano. São 12% os portugueses que estiveram sem ir ao dentista entre dois a cinco anos e há 3,6% de inquiridos que admite nunca ter ido a uma consulta de medicina dentária.

Entre os portugueses que nunca vão ao dentista ou que vão menos de uma vez por ano, cerca de metade diz não ter necessidade, enquanto 31% diz não ter dinheiro, uma percentagem que diminui em relação a 2017.

"Uma parte grande da população tem muita dificuldade em aceder à medicina dentária. Há um grande número de necessidades da população, mas depois a procura não é a que devia ser face ao estado de saúde oral e isso acontece por várias razões, económicas, de informação ou de acessibilidade", indica o bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas.

Atualmente, há cerca de uma centena de médicos dentistas distribuídos por 60 a 70 centros de saúde, o que Orlando Monteiro da Silva considera ainda insuficiente.

"É positivo, mas não é capaz ainda de fazer a diferença para os números que são agora apresentados", comenta.

+ notícias: País

Fiscalizações da ASAE em pedreiras originaram 57 processos em sete anos

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) instaurou 57 processos contraordenacionais no âmbito de fiscalizações a cerca de 260 pedreiras de norte a sul do país durante os últimos sete anos, segundo dados fornecidos por este organismo.

Proposta para aumentar preço do tabaco aguarda decisão do Governo

Os responsáveis do Programa Nacional para a Prevenção do Tabagismo propuseram um aumento do preço do tabaco, e a decisão depende agora do Governo, disse à Lusa fonte da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Bastonário dos Advogados afirma que 'habeas corpus' para a mulher que abandonou o bebé no lixo foi "uma questão de instrumentalização" 

Guilherme de Figueiredo, Bastonário dos Advogados, critica a postura do grupo de advogados que pediram um 'Habeas Corpus' para libertar a mulher de 22 anos que abandonou o bebé. Considera que foi mais uma questão de instrumentalização do assunto do que propriamente uma questão de defesa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.