Info

Corticeira da Feira autuada em 31.000 euros após queixa de assédio moral a trabalhadora

Corticeira da Feira autuada em 31.000 euros após queixa de assédio moral a trabalhadora
| País
Porto Canal com Lusa

A corticeira de Santa Maria da Feira que em setembro motivou vários protestos contra o alegado assédio moral a que sujeitaria uma trabalhadora reintegrada por ordem judicial foi autuada em 31.000 euros, revelou esta segunda-feira o sindicato do setor.

Em causa está a empresa Fernando Couto Cortiças S.A e a situação da funcionária Cristina Tavares, que desde maio aguardava a sua reintegração no posto laboral que vinha ocupando antes de interpor um processo contra a sua entidade patronal e que entretanto ficou a realizar o que o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte (SOCN) e a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) classificaram de "trabalho improdutivo" e "humilhante", sob "tortura psicológica".

"Agora a Autoridade para as Condições do Trabalho [ACT] vem dar-nos razão e autuou a empresa em 31.000 euros, dando como provados todos os factos que denunciámos e ainda outros que foram identificados na primeira inspeção à empresa", disse à Lusa o dirigente do SOCN, Alírio Martins.

O mesmo sindicalista realçou dois outros aspetos relativos ao mesmo processo: que "não é habitual verem-se coimas deste valor", mesmos considerando que essas "são proporcionais ao volume de negócios das empresas", e que entretanto a corticeira acusada "ainda pode receber outras três coimas deste género", considerando que "a ACT fez quatro inspeções à fábrica desde maio".

Alírio Martins notou ainda que, estando o sindicato constituído como assistente no processo, pôde aceder ao relatório da inspeção e viu aí reconhecido que a ACT "constatou uma degradação do estado de saúde da Cristina Tavares em consequência desta situação" - em que um dos aspetos mais contestado nos protestos de setembro era o facto de a trabalhadora ser obrigada, "por 'castigo', a carregar e descarregar uma palete com os mesmos sacos todos os dias".

Contactado pela Lusa, o diretor financeiro da Fernando Couto Cortiças S.A. disse que a empresa "vai recorrer da decisão da ACT", que acusa de estar a ser "manipulada pela CGTP".

Vítor Martins não quis desenvolver o assunto, mas afirmou: "Temos o direito de impugnar este resultado e é o que vamos fazer, porque não nos conformamos com esta situação".

Não se mostrando surpreendido com a decisão da corticeira, o SOCN recorda, no entanto, que, "além do processo relativo às inspeções da ACT, o mesmo caso também seguiu para o Ministério Público", estando a correr os devidos trâmites.

+ notícias: País

Sete escolas superiores, três delas no Norte, com ordem de encerramento por falta de acreditação

Sete escolas superiores, três delas localizadas no Norte do país, chumbaram na avaliação da agência de acreditação do ensino superior e têm ordem de encerramento compulsivo, mas algumas vão poder manter-se abertas até aos atuais alunos concluírem os cursos, adiantou esta terça-feira a tutela.

Polícia espanhola entrega à PJ português que terá sequestrado filha menor em Braga

A Polícia Nacional espanhola de Vigo entregou à Polícia Judiciária do Porto um pai português alvo de um mandado europeu de detenção e que alegadamente sequestrou a filha de 10 anos em Braga, há dois meses.

Fogo em Vila de Rei e Mação dominado em 90%, evolução com "reservas" devido ao vento

O fogo que lavra desde sábado em Vila de Rei (Castelo Branco) e Mação (Santarém) mantém-se dominado em 90%, existindo ainda zonas "muito quentes", sendo as próximas horas encaradas "com muita reserva", disse esta segunda-feira a proteção civil.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS