Info

Pais querem ajuste direto para Ala Pediátrica do São João avançar rapidamente

| Norte
Porto Canal com Lusa

A associação pediátrica do Hospital de São João defende o "ajuste direto" da Ala Pediátrica, alertando que o concurso público previsto pelo Governo pode atirar a conclusão da obra "para daqui a quatro, cinco, seis ou sete anos".

Atualizado 06-11-2018 11:13

"Ninguém consegue garantir uma data. Mas quanto mais depressa a obra começar, mais depressa está pronta. Antes de abril, o arquiteto não vai ter o projeto revisto. Depois, é preciso começar a obra. Nisso é que queremos o ajuste direto. É a única forma de avançar de imediato", afirmou Jorge Pires, porta-voz da APOHSJ -- Associação Pediátrica Oncológica, em declarações à Lusa.

O pai critica o internamento pediátrico em contentores "miseráveis" naquele hospital do Porto, alertando que, com o concurso público previsto pelo Governo, "ninguém pode aferir uma data concreta ou dizer se demora meses ou anos" a concluir a Ala Pediátrica.

"Podemos estar a falar de quatro, cinco, seis ou sete anos", avisou.

"Queremos que isto se faça. Não queremos perder tempo. Isto é o jogo do empurra: vemos os políticos dizer 'foi o outro governo, foi este governo'... Nós não temos nada a ver com estas guerras", frisou.

Em causa está "o internamento das crianças todas e de uma parte sensível das crianças com cancro" em contentores provisórios há cerca de sete anos, num hospital que acolhe menores "de todo o Norte" do país.

"A nossa luta é que a obra se faça o mais rapidamente possível e a única forma é um ajuste direto", descreveu.

"Criamos esta associação para irmos à Assembleia da República [AR] mostrar a urgência em fazer obra e a resposta que temos, do primeiro-ministro e da ministra da Saúde, é 'vamos fazer um concurso mas não sabemos a data'", lamentou.

Jorge Pires refere-se às declarações feitas a 24 de outubro pelo primeiro-ministro a dizer que o reforço do orçamento da Saúde permitirá "avançar com o lançamento" do concurso para a ala pediátrica, ao passo que a nova ministra da tutela, Marta Temido, afirmou ainda não haver data para o procedimento.

Jorge Pires admite criar um "movimento do país real" para se candidatar a eleições, "se for preciso já nas próximas eleições legislativas [em 2019] caso não avance a Ala Pediátrica.

A intenção é "ter uma voz ativa na política".

"As crianças continuam lá, vão morrendo, e vêm outras e as pessoas estão descrentes. Temos a obrigação de fazer alguma coisa para mudar", afirmou.

Segundo Jorge Pires, as "7.500 assinaturas" necessárias para criar um movimento que se candidate a eleições são "o mais fácil".

"Pessoas de vários setores de atividade em Portugal têm falado comigo sobre como se sentem injustiçadas pela forma de fazer política em Portugal", descreveu.

O pai lembra ainda que, no Parlamento, "o PS desafiou oposição a criar regime de exceção para a ala pediátrica do São João, mas o PSD fez a resolução e foi reprovada pelo PS, BE e PCP".

No debate quinzenal da AR de 27 de setembro, o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, acusou o primeiro-ministro de "insensibilidade social" por não avançar imediatamente com as obras, criticando o concurso por poder demorar anos até à conclusão.

O primeiro-ministro, António Costa, desafiou o PSD a aprovar uma lei que autorize o Governo a dispensar o visto do Tribunal de Contas e o concurso público, permitindo que a empreitada se inicie imediatamente.

A 19 de outubro, uma resolução do PSD para que o Governo adotasse "todos os procedimentos e medidas necessárias para que se proceda à construção, no mais curto espaço de tempo possível", da ala pediátrica, foi chumbada com votos contra de PS, BE, PCP e PEV.

O parlamento aprovou um projeto de resolução do PCP a recomendar ao executivo socialista "que desbloqueie a construção da nova ala pediátrica do São João".

+ notícias: Norte

Uma família desalojada e nove casas atingidas com queda de grua no Porto

A grua que caiu hoje numa rua da cidade do Porto provocou o desalojamento de uma família e danos em nove casas, adiantou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operação de Socorros (CDOS) do Porto.

Habitantes de Amarante e Celorico de Basto aliviados pela construção da barragem de Fridão não avançar

A EDP ameaça avançar sozinha para a construção da barragem de Fridão se o Governo não lhe devolver os 218 milhões de euros já investidos. É a resposta da elétrica ao anúncio do ministro Matos Fernandes, de cancelar a construção da barragem no rio Tâmega. Um anúncio que também fez reagir alguns autarcas que falam em ato criminoso e que ameaçam levar o Governo a tribunal.

Incêndio em stand na Trofa destrói 20 motos

Um incêndio num stand de motos, na freguesia de Bougado, na Trofa, distrito do Porto, destruiu hoje 20 motociclos que se encontravam na zona da oficina, disse à Agência Lusa fonte dos bombeiros locais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS