Info

Tancos: Se fosse primeiro-ministro, o ministro da Defesa já teria saído do Governo - Rui Rio

| Política
Porto Canal com Lusa

Trancoso, Guarda, 12 out (Lusa) -- O presidente do PSD, Rui Rio, disse hoje que, se fosse primeiro-ministro, o ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, já teria saído do Governo, porque ficou "fragilizado politicamente" com o caso do reaparecimento das armas de Tancos.

Em declarações aos jornalistas em Trancoso, Rui Rio frisou que "cabe ao primeiro-ministro dizer se o ministro da Defesa pode ou não, deve ou não, continuar".

Mas, se fosse primeiro-ministro, Rui Rio "não tolerava uma situação destas", por a considerar "absolutamente insustentável" por vários motivos.

"Se eu fosse primeiro-ministro, o ministro da Defesa já tinha saído. Penso até que, através de conversas a dois, ele teria saído pelo seu próprio pé", afirmou.

Segundo o líder social-democrata, "independentemente de ser verdade ou não ser integralmente verdade aquilo que tem vindo a público", é "absolutamente inquestionável" que "o ministro da Defesa está fragilizado politicamente".

Por isso, "não tem condições de se impor como ministro da Defesa, à frente das Forças Armadas, que requerem alguém com peso político e respeitabilidade inquestionável", frisou.

"A responsabilidade não é minha, é o primeiro-ministro que tem de decidir e responsabilizar-se por isso, de arrastar esta situação, ou não arrastar. Eu faria diferente. Já se arrastou demasiado tempo", acrescentou.

AMF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Tenente-general José Nunes da Fonseca novo chefe do Estado-Maior do Exército

O tenente-general José Nunes da Fonseca será o novo chefe do Estado-Maior do Exército, tendo o seu nome recebido parecer favorável por unanimidade do Conselho Superior do Exército, anunciou hoje o primeiro-ministro, António Costa, em Bruxelas.

Governo quer proibir o uso de plásticos na Administração Pública

O Governo quer proibir o uso de plásticos na Administração Pública. O Conselho de Ministros aprovou uma medida para reduzir o consumo de papel e plástico em 25% num ano.

Portugueses mais distantes dos partidos abstêm-se mais

Os portugueses estão cada vez mais alheados e distantes dos partidos políticos e é este grupo com menos vontade de votar, conclui um estudo a ser divulgado hoje pelo “think tank” Portugal Talks.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.