Info

Morreu o sul-africano Pik Botha, ex-chefe da diplomacia do Apartheid

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Joanesburgo, 12 out (Lusa) -- Roelof "Pik" Botha, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros da África do Sul durante o regime do Apartheid, morreu em Pretória aos 86 anos, noticiam hoje os órgãos de comunicação social sul africanos.

O filho, Piet Botha, confirmou a morte ao grupo de comunicação social News24 afirmando que o antigo ministro morreu enquanto dormia durante a noite de hoje.

"A mulher, Ina, estava ao seu lado. [Pik Botha] encontrava-se doente há três semanas", disse Piet Botha.

Pik Botha dirigiu a diplomacia sul-africana entre 1977 até ao fim do Apartheid, em 1994, como membro do Partido Nacional que instituiu o regime racista sul-africano em 1948.

Mais tarde integrou o governo de Nelson Mandela, líder do Congresso Nacional Africano (ANC) democraticamente eleito, com a tutela das minas.

Com a alcunha de "Pik" (pinguim), Botha incitou em 1990 o então chefe de Estado Frederik de Klerk a libertar Nelson Mandela que se encontrava preso há 27 anos.

Em 1986, foi severamente repreendido pelo presidente Pieter Willem Botha (sem qualquer relação de parentesco apesar do apelido) por ter afirmado que um dia a África do Sul seria "um Estado governado por um negro".

PSP // SB

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

"Coletes amarelos" mobilizaram 66 mil manifestantes em França

A mobilização dos "coletes amarelos" registou este sábado um claro recuo em toda a França, com cerca de 66.000 manifestantes às 18:00, em vez dos 126.000 contabilizados à mesma hora no sábado passado, segundo números fornecidos pelo Ministério do Interior.

Novo balanço de ataque em Estrasburgo dá conta de dois mortos e 14 feridos

O balanço do ataque ao mercado de Natal em Estrasburgo, na noite de terça-feira, foi revisto esta quarta-feira de manhã pela prefeitura de Bas-Rhin, que deu conta de dois mortos, sete feridos graves e sete feridos ligeiros.

Parlamento venezuelano declara que eleições de domingo são inexistentes

A Assembleia Nacional da Venezuela, onde a oposição detém a maioria, aprovou na terça-feira um acordo no qual se declara como inexistentes as eleições locais venezuelanas de domingo por, alegadamente, violarem a Constituição.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS