Info

Morreu o sul-africano Pik Botha, ex-chefe da diplomacia do Apartheid

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Joanesburgo, 12 out (Lusa) -- Roelof "Pik" Botha, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros da África do Sul durante o regime do Apartheid, morreu em Pretória aos 86 anos, noticiam hoje os órgãos de comunicação social sul africanos.

O filho, Piet Botha, confirmou a morte ao grupo de comunicação social News24 afirmando que o antigo ministro morreu enquanto dormia durante a noite de hoje.

"A mulher, Ina, estava ao seu lado. [Pik Botha] encontrava-se doente há três semanas", disse Piet Botha.

Pik Botha dirigiu a diplomacia sul-africana entre 1977 até ao fim do Apartheid, em 1994, como membro do Partido Nacional que instituiu o regime racista sul-africano em 1948.

Mais tarde integrou o governo de Nelson Mandela, líder do Congresso Nacional Africano (ANC) democraticamente eleito, com a tutela das minas.

Com a alcunha de "Pik" (pinguim), Botha incitou em 1990 o então chefe de Estado Frederik de Klerk a libertar Nelson Mandela que se encontrava preso há 27 anos.

Em 1986, foi severamente repreendido pelo presidente Pieter Willem Botha (sem qualquer relação de parentesco apesar do apelido) por ter afirmado que um dia a África do Sul seria "um Estado governado por um negro".

PSP // SB

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Donald Trump volta a defender separação de famílias na fronteira com o México

O Presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a defender este sábado a separação de famílias de imigrantes na fronteira com o México, encorajando todos os que "sentem" que vão ser separados a não entrarem no território.

Acidente de viação na Grécia faz 11 mortos, possivelmente migrantes

A polícia grega disse ter recuperado os corpos de 11 pessoas que acredita serem migrantes recentemente chegados da Turquia, depois de o carro em que seguiam ter tido um acidente no norte da Grécia, adiantou a AP.

Detido na Alemanha suspeito de matar e violar jornalista búlgara

As autoridades búlgaras anunciaram esta quarta-feira a detenção na Alemanha de um homem suspeito de ter matado e violado a jornalista búlgara Viktoria Marinova em Ruse, no norte da Bulgária.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.