Info

G20 reconhece peso das tensões comerciais na volatilidade dos mercados

| Economia
Porto Canal com Lusa

Nusa Dua, Indonésia, 12 out (Lusa) - Os países do G20 reconheceram hoje que as tensões comerciais dentro do grupo estão a afetar a "confiança nos mercados" e a aumentar a "volatilidade financeira", numa alusão à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

"O comércio internacional é um importante motor do crescimento e precisamos de resolver as tensões que estão a afetar negativamente a confiança dos mercados e a aumentar a volatilidade financeira", disse o ministro das Finanças argentino, Nicolás Dujovne.

O responsável argentino falava numa conferência de imprensa em Bali, onde decorre até domingo a assembleia anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial.

Dujovne sublinhou que o G20, grupo de países em desenvolvimento, "pode ter um papel de fórum na discussão, mas as diferenças persistentes devem ser resolvidas pelos países diretamente envolvidos".

Embora o ministro argentino tenha evitado mencionar diretamente Pequim e Washington, o choque comercial entre as duas potências concentrou as conversas do fórum, que junta algumas das principais economias avançadas e em desenvolvimento.

Dujovne também advertiu que o crescimento económico se tornou "mais desequilibrado" e que "alguns dos riscos discutidos no início do ano estão a começar a materializar-se".

O político citou, em particular, "a normalização da política monetária nos [países] avançados", que fez com que "as condições financeiras se ajustassem nos países emergentes, que sofreram volatilidade".

A Argentina é um exemplo claro dessas pressões financeiras. Buenos Aires teve de recorrer a um pacote de assistência de três anos do FMI, no valor de 57,1 mil milhões de dólares (49 mil milhões de euros), após a queda acentuada do peso argentino.

Da mesma forma, outras economias emergentes, como Turquia, África do Sul ou Indonésia, sofreram também a desvalorização das suas moedas perante o fortalecimento progressivo do dólar.

FST // EJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Trabalhadores dos impostos em greve no dia 27 pela negociação das carreiras

Os trabalhadores dos impostos cumprem no dia 27 uma nova greve em protesto pela revisão das carreiras, desta vez convocada pela Associação Sindical dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira (APIT) e cujo pré-aviso foi divulgado este sábado.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

A isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) que é atribuída a pessoas com rendimentos e património imobiliário de baixo valor chegou este ano a 1,17 milhões de contribuintes.

Secretária de Estado da Habitação diz que "todos temos que lutar contra" crime no mercado imobiliário

Os preços das casas estão a estabilizar, mas continuam muito altos para a maioria dos portugueses. Em entrevista exclusiva ao Porto Canal, a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, assume que a classe média está em dificuldade e mostra-se preocupada com as suspeitas de crime, associadas à especulação imobiliária no Porto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.