Info

Militares da GNR absolvidos de tráfico de pessoas e burla

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 12 jul (Lusa) -- Dois militares da GNR e a mulher de um deles acusados de explorar operários da construção civil em França, com promessas de salários altos, foram hoje absolvidos pelo Tribunal São João Novo, no Porto.

O coletivo de juízes justificou a absolvição com o facto de não se ter dado como provado a intenção dos arguidos em explorar os trabalhadores.

Contudo, os magistrados sublinharam que isso não significa que os operários não tenham passado maus tempos em França.

O Ministério Público (MP) acusou os militares e a mulher de um deles de contratar oito portugueses para trabalhar em Paris, França, na construção civil com promessas de salários altos, alojamento e alimentação.

Contudo, as promessas não foram cumpridas e, além de não receberem salário, os operários trabalhavam mais de 14 horas por dia, dormiam no chão e comiam pouco, havendo mesmo dias em que passaram fome, sustentava a acusação.

SYF // LIL

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

População de freguesia de Lamego queixa-se de descargas poluentes no rio Neto

A população de Cambres, em Lamego, queixa-se de descargas constantes feitas no rio Neto alegadamente por uma unidade industrial. Os habitantes locais dizem que as águas estão cada vez mais poluídas e que é cada vez mais difícil suportar o mau cheiro. A Câmara Municipal de Lamego confirma o agravamento da situação e garante que todos os casos têm sido comunicados às autoridades competentes.

Mesão Frio sem combustível há três dias

Os efeitos da greve dos motoristas de matérias perigosas faz-se sentir em Mesão Frio. O único posto de abastecimento da vila está sem combustiveis desde segunda feira e a população desespera para conseguir manter a normalidade dos serviços.

Perfurações em pedreira obriga ao corte de estrada 'vital' para a população em Guimarães

As perfurações ocorridas numa pedreira em Airão Santa Maria, Guimarães, obrigaram ao encerramento de uma estrada que a população diz ser vital para a mobilidade na freguesia. A autarquia alega razões de segurança.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.