Info

"Lulu", a tragédia de uma mulher livre, em cena no Teatro Carlos Alberto no Porto

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 13 jun (Lusa) -- "Lulu", uma peça de teatro criada a partir de duas peças do dramaturgo alemão Frank Wedekind, explora a história trágica de uma mulher livre ao longo da vida, e estreia-se hoje, no Teatro Carlos Alberto, no Porto.

Inserida na programação do Festival Internacional de Teatro Ibérico (FITEI), que decorre até dia 22 de junho, no Porto, a peça estreia-se hoje, pelas 21:00, e coloca em cena a "monstruosa" obra de Wedekind, como foi descrita, com a história de "ascensão e queda" de Lulu, uma mulher cuja liberdade confronta o patriarcado, a sociedade vigente e o capitalismo.

Wedekind, conhecido também por "O Despertar da Primavera", escreveu duas peças centradas na personagem de Lulu - "Espírito da Terra" (1903) e "A Caixa de Pandora" (1904) -, e a encenação de Nuno M Cardoso coloca em cena cinco dos sete atos deste ciclo, a partir da tradução de Aires Graça.

A produção do Teatro Nacional São João (TNSJ) assenta numa versão dramatúrgica própria das muitas existentes, uma vez que o alemão as reescreveu várias vezes, além de também ter sido alvo de censura. E mostra "uma história de ascensão e queda, uma tragédia, tanto nas várias formas que a peça tem, como na vida de Lulu", descreveu à Lusa o encenador.

A jovem alemã começa na rua, antes de ser acolhida por Dr. Schon, que lhe dá comida, albergue e educação, lançando a personagem para uma vida em que confronta a própria liberdade, com a vontade dos vários homens com quem se cruza.

"Aí começa a sua ascensão social e de vivência, e Lulu vai casando com vários homens e continuando a ascender. Cada homem vai morrendo, o primeiro por ataque cardíaco, o segundo por suicídio e, depois, é condenada pelo homicídio de Dr. Schon", continuou Nuno M Cardoso.

Escapa da prisão para viver, então, em Paris, no seio da alta burguesia, com o apoio de uma condessa que por ela se apaixonou, mas, devido a um "grupo de hienas e abutres a fazer-lhe chantagem contínua, Lulu tem de fugir novamente".

Chega a Londres sem meios e acaba por ter de se prostituir nas ruas da capital londrina, sendo assassinada pelo infame Jack, o Estripador, quando trabalhava para alimentar dois homens, um deles o filho do Dr.Schon.

A história, que o dramaturgo inglês Edward Bond descreveu como sendo "sobre sexo, dinheiro e morte", reflete de forma particular como "o capitalismo se vai alimentando de todas as personagens", e apresenta momentos de previsão.

"Em Paris, a bolsa [de valores] cai e leva à ruína quase todos os que estão na alta burguesia e na aristocracia, o que é uma previsão do Wedekind da queda das bolsas, que veio depois a acontecer", reforçou o encenador, numa alusão à crise dos mercados financeiros, de 1929, que levou à Grande Depressão.

A história trágica de Lulu mostra ainda "a necessidade de a sociedade capitalista destruir esta mulher, porque representa a liberdade de existir, a liberdade sexual e a liberdade da própria mulher".

A encenação divide a peça em "três blocos formais", atravessando as cidades de Berlim, Paris e Londres, com três intérpretes diferentes para as distintas fases da vida da personagem principal.

"A nível de estilo, interpretação, cenografia, luz, som, é quase como se fossem três espetáculos diferentes. São três momentos distintos na idade e na história da Lulu, e o texto em si é também diverso. Por outro lado, queria representar a Lulu não como personagem mítica, mas como podendo ser qualquer mulher, refletindo essa liberdade", disse Nuno M Cardoso à Lusa.

Por outro lado, "o próprio Wedekind propõe alguma fragmentação", já trazendo influências que viriam a marcar o teatro pós-dramático e o expressionismo, posteriores à sua primeira encenação.

A violência e questões da liberdade sexual e da mulher estão refletidas na própria forma como o espetáculo é encenado, com Nuno M Cardoso a assumir um papel na própria encenação, à semelhança de Wedeking, que interpretou Jack, o Estripador, na produção original.

Há em "Lulu" um "discurso feminista que Wedekind já afirmava no final do século XIX, bem como várias lutas do século XX e XXI, do género ao estatuto da mulher e o seu lugar na sociedade, bem como os discursos misóginos de algumas personagens".

A morte dos vários maridos, todos com posições de poder na sociedade, de diretores de jornais a artistas e membros da alta burguesia, mostram igualmente "uma representação do patriarcado enquanto poder", a influenciar uma Lulu "mais jovem e natural", antes da destruição que o capitalismo traz sobre ela.

No primeiro momento, em Berlim, Catarina Gomes interpreta uma Lulu mais jovem, antes de Vera Kolodzig mostrar "o momento festivo e de aristocracia" em Paris, seguindo-se a bailarina Sara Garcia, que "traz o corpo expressivo", mesmo que, por vezes, surjam "momentos" em que as três intérpretes contracenem "o mesmo momento", oferecendo camadas adicionais de expressão, "da linha do passado, presente e futuro".

"Lulu" encerra ainda uma trilogia de Nuno M Cardoso, dedicada a dramaturgos alemães, depois de "Gretchen", de Goethe, e de "Emilia Galotti", de Lessing, todas a "evocar três personagens trágicas femininas" e a sua emancipação perante o poder.

A segunda produção própria do TNSJ para a presente temporada, "Lulu", estará em cena até dia 22, inserida no FITEI, e até 30 de junho, como parte da programação daquele teatro nacional, antes de rumar ao festival de teatro de Almada, em 05 e 06 de julho.

SIYF // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Despiste automóvel provoca um morto em Vila Verde, Braga

Um despiste automóvel na freguesia de Cabanelas, concelho de Vila Verde, distrito de Braga, provocou ao início da tarde deste domingo uma vítima mortal, disse à agência Lusa fonte dos bombeiros locais.

Guarda prisional da cadeia de Paços de Ferreira assistido pelo INEM após agressão

Um guarda prisional da cadeia de Paços de Ferreira foi agredido pelas 11h00 deste domingo, tendo sido assistido no local pelos bombeiros e pelo INEM, disse à agência Lusa fonte do CDOS do Porto.

Porto vende 35 mil francesinhas por dia com ajuda dos turistas

O Porto vende pelo menos 35 mil francesinhas por dia nos mais de 700 cafés e restaurantes da cidade, o que significa que por mês há cerca de um milhão daquelas sanduíches especiais a serem degustadas no município.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.