Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Camionistas mantêm paralisação marcada para hoje após reunião com Governo

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 28 mai (Lusa) - Camionistas mantêm a paralisação marcada para hoje, a partir das 08:00, apesar de voltarem a dialogar com o Governo durante a manhã, para reclamar a regulamentação do setor e a indexação do preço dos transportes ao dos combustíveis.

"A paralisação vai realizar-se à hora a que estava prevista", garantiu o presidente da direção da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), Márcio Lopes, que se reuniu na noite de domingo com o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme W. d'Oliveira Martins.

Márcio Lopes assinalou que o primeiro encontro como o Governo foi inconclusivo e não há "suspensão da paralisação", referindo que a ação de protesto pode levar a marchas lentas ou à imobilização das viaturas nas bermas de vias, de norte a sul do país, sem localização específica pré-determinada.

A segunda reunião no Ministério do Planeamento e Infraestruturas, que tem a tutela dos Transportes, começa às 09:30 de hoje, e contará também com a presença da Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM).

Frisando a irredutibilidade dos camionistas, o responsável da ANTP assegurou que a paralisação "continua mesmo que o Governo mostre abertura" para corresponder às reivindicações na reunião de hoje.

O presidente da ANTP reiterou que a paralisação dos camionistas "tem hora exata para começar, mas não tem hora para acabar".

A paralisação pretende reclamar a regulamentação do setor, a criação de uma Secretaria de Estado dedicada exlusivamente aos Transportes, a obrigatoriedade de pagamento no período máximo de 30 dias e a criação de um mecanismo para que a inflação também seja refletida no setor dos transportes.

De acordo com Márcio Lopes, o caderno de reivindicações inclui ainda que o preço dos combustíveis seja indexado ao preço dos transportes, isto é, refletido no custo dos serviços, melhores condições de trabalho para os motoristas e descontos nas portagens.

"A iniciativa não partiu da associação, mas é a associação que está a dar voz ao desagrado dos camionistas e dos empresáios, muitos associados da ANTP", explicou o dirigente associativo, adiantando que a ação de protesto deverá decorrer nas estradas "de norte a sul do país, e nas zonas de fronteira".

A ANTP representa as pequenas e médias empresas do sector e foi formada depois do bloqueio de 2008.

De acordo com a ANTP, o setor tem 7.500 empresas e mais de 300 mil trabalhadores, representando esta associação cerca de 400 associados, segundo o presidente da direção.

JOP (JNM) // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: País

Homem morre afogado em Tondela

Um homem de 25 anos morreu hoje afogado na zona da praia fluvial em Sangemil, concelho de Tondela, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu.

Ordem dos Médicos diz que falta de obstetras pode deixar alguns hospitais sem partos

A Ordem dos Médicos avisa que a falta de obstetras pode afetar a assistência aos partos complicados dentro de semanas. Em causa estão as férias de Verão e o número reduzido destes especialistas nos hospitais públicos.

Cirurgias aumentaram 1,2% em 2017 e urgências diminuíram 1,4%

O número de cirurgias feitas no Serviço Nacional de Saúde aumentou 1,2% no ano passado, enquanto o número de episódios de urgência diminuiu 1,4%, segundo dados oficias hoje divulgados pelo Ministério da Saúde.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

IV Festival de Guitarra de Amarante