Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

"Secretas" contra lei do PCP sobre acesso a documentos classificados

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 mai (Lusa) -- O Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), órgão de que dependem as "secretas", é contrário ao projeto de lei do PCP sobre o acesso do parlamento a documentos e informações como segredo de Estado.

Esta matéria, do segredo de Estado, é "de tal modo sensível que a prudência e a experiência aconselham a ponderar numa difusão efetivamente circunscrita e não de pendor mais generalista", lê-se no parecer do gabinete da secretária-geral do SIRP, Graça Mira Gomes, entregue na Assembleia sobre o projeto comunista.

O parecer, com a data de 27 de abril, conclui, no entanto, que o parlamento é "sempre soberano para legislar" nesta questão do acesso da Assembleia da República e dos deputados a documentos classificados.

Ao longo de grande parte do parecer, de sete páginas, são lembrados os poderes da Assembleia da República sobre matérias de segurança, defesa nacional e os serviços de informações, da definição da política de segurança interna à escolha dos membros do conselho de fiscalização do SIRP à capacidade de os deputados fazerem perguntas ao Governo.

No parecer, o gabinete da secretária-geral do SIRP responde diretamente às críticas do PCP, que faz há anos, de que a Assembleia não pode "fiscalizar diretamente a atividade dos serviços de informações", fazendo apenas "por interposição" do conselho de fiscalização, eleito no parlamento.

No mesmo texto, pode ainda ler-se que o SIRP não vê vantagens, como defende o PCP, numa "ação direta parlamentar" viesse a garantir "uma ação inspetiva" mais eficaz do que o modelo de um conselho de fiscalização.

Com este diploma, o PCP pretende que os deputados tenham acesso a documentos classificados como segredo de Estado, estipulando as condições em que o podem fazer, podendo, por exemplo, recorrer-se à intervenção do Presidente da Assembleia da República.

Em fevereiro, em declarações ao DN, o deputado António Filipe afirmou que, com este diploma, o PCP defendeu que o parlamento "tem de ter a possibilidade de aceder a documentos que sejam indispensáveis para exercer" as "competências de fiscalização da atividade dos serviços que integram o SIRP".

António Filipe exemplificou que a Assembleia "não tem meios legais para ter acesso a documentos que estejam na posse de serviços de informações", lembrando que isso aconteceu, por exemplo, com o caso do furto de armas e munições das Forças Armadas nos paióis de Tancos.

NS // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Carlos César reeleito presidente do PS com 96,3% dos votos

O deputado e líder parlamentar socialista Carlos César foi este sábado reeleito presidente do PS com 96,3% dos votos, anunciou a Comissão Organizadora do Congresso.

Catarina Martins diz que Governo tem de "abrir os olhos" sobre imposição de trabalho por turnos

Há "muito abuso" na imposição do trabalho por turnos em Portugal. A denúncia foi feita, na passada sexta-feira, pela coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, durante uma conversa com trabalhadores da cortiça. Catarina Martins diz que o Governo tem de abrir os olhos para ver a realidade.

Presidente da República afirma que "não tem posição tomada" quanto à eutanásia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou este sábado que "não tem posição tomada" quanto aos diplomas sobre a eutanásia, realçando que não existem sequer iniciativas legislativas apreciadas pelo parlamento sobre esta matéria.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.