Info

"Secretas" contra lei do PCP sobre acesso a documentos classificados

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 mai (Lusa) -- O Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), órgão de que dependem as "secretas", é contrário ao projeto de lei do PCP sobre o acesso do parlamento a documentos e informações como segredo de Estado.

Esta matéria, do segredo de Estado, é "de tal modo sensível que a prudência e a experiência aconselham a ponderar numa difusão efetivamente circunscrita e não de pendor mais generalista", lê-se no parecer do gabinete da secretária-geral do SIRP, Graça Mira Gomes, entregue na Assembleia sobre o projeto comunista.

O parecer, com a data de 27 de abril, conclui, no entanto, que o parlamento é "sempre soberano para legislar" nesta questão do acesso da Assembleia da República e dos deputados a documentos classificados.

Ao longo de grande parte do parecer, de sete páginas, são lembrados os poderes da Assembleia da República sobre matérias de segurança, defesa nacional e os serviços de informações, da definição da política de segurança interna à escolha dos membros do conselho de fiscalização do SIRP à capacidade de os deputados fazerem perguntas ao Governo.

No parecer, o gabinete da secretária-geral do SIRP responde diretamente às críticas do PCP, que faz há anos, de que a Assembleia não pode "fiscalizar diretamente a atividade dos serviços de informações", fazendo apenas "por interposição" do conselho de fiscalização, eleito no parlamento.

No mesmo texto, pode ainda ler-se que o SIRP não vê vantagens, como defende o PCP, numa "ação direta parlamentar" viesse a garantir "uma ação inspetiva" mais eficaz do que o modelo de um conselho de fiscalização.

Com este diploma, o PCP pretende que os deputados tenham acesso a documentos classificados como segredo de Estado, estipulando as condições em que o podem fazer, podendo, por exemplo, recorrer-se à intervenção do Presidente da Assembleia da República.

Em fevereiro, em declarações ao DN, o deputado António Filipe afirmou que, com este diploma, o PCP defendeu que o parlamento "tem de ter a possibilidade de aceder a documentos que sejam indispensáveis para exercer" as "competências de fiscalização da atividade dos serviços que integram o SIRP".

António Filipe exemplificou que a Assembleia "não tem meios legais para ter acesso a documentos que estejam na posse de serviços de informações", lembrando que isso aconteceu, por exemplo, com o caso do furto de armas e munições das Forças Armadas nos paióis de Tancos.

NS // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Catarina Martins enaltece passes mais baratos e pede mais transportes

A coordenadora do BE, Catarina Martins, elogiou este domingo a medida orçamental negociada com o Governo para a descida do preço dos passes de transportes públicos, mas defendeu que deve ser acompanhada de mais investimento para haver mais meios disponíveis.

Assunção Cristas lamenta desinteresse de Costa por setor da saúde "em rutura"

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, lamentou este sábado e o desinteresse do chefe do Governo pelo setor da saúde, descrevendo-o como "em rutura" devido à "austeridade escondida", numa conferência sobre o tema organizada pelo partido na sede de Lisboa.

Governo identifica quase duas centenas de pedreiras em situação crítica

O Governo identificou em 13% das pedreiras que dependem do Estado central, ou seja, 191 casos, "situações críticas", de acordo com o primeiro levantamento exaustivo das maiores pedreiras existentes em Portugal continental, a que o Expresso teve acesso.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.