Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo repudia violência na Academia do Sporting e ambiciona festa do futebol no Jamor

| Desporto
Porto Canal com Lusa

O Governo repudiou esta quarta-feira os incidentes na Academia do Sporting, em Alcochete, onde 50 indivíduos de cara tapada entraram e agrediram futebolistas e elementos da equipa técnica, que considerou atos de vandalismo e criminosos.

Atualizado 16-05-2018 15:59

Numa declaração conjunta da secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, e o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, o Governo confirmou a detenção de 21 presumivelmente envolvidos.

"Há um repúdio veemente para com atos de violência, vandalismo criminosos como os que ocorreram esta tarde. Quero mostrar solidariedade para jogadores, técnicos e quem foi agredido", afirmou João Paulo Rebelo, recordando o título europeu de seleções conquistado em 2016 e o orgulho luso na modalidade.

Entretanto, fonte da GNR informou que as pessoas em causam foram intercetadas pelas autoridades na zona da Academia do Sporting, em Alcochete, e nas imediações, tendo sido encaminhados para o posto da GNR em Alcochete.

A equipa principal do Sporting cumpria hoje o primeiro treino da semana, depois da derrota no terreno do Marítimo (2-1), que relegou a equipa para o terceiro lugar da I Liga, iniciando a preparação para a final da Taça de Portugal, no domingo, frente ao Desportivo das Aves.

"Estamos a poucos dias da final da Taça de Portugal e o Governo está, juntamente com a Federação Portuguesa de Futebol, a criar todas as condições para que se viva a festa do futebol, do desporto, o convívio das famílias e dos verdadeiros adeptos do futebol e do desporto. É uma missão do Governo, mas que deve ser assumido por todos. No domingo tem de haver uma demonstração clara que futebol é um orgulho nacional", frisou o secretário de Estado da Juventude e do Desporto.

A secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna explicou a coordenação das forças de segurança para tomar conta da ocorrência, da qual resultaram 21 detidos.

"Houve a apreensão de viaturas e objetos de agressão, juntámos forças de segurança para tomarem conta da ocorrência e darem a resposta adequada. Continuamos a trabalhar no sentido de esclarecer esta situação e que não voltem a acontecer", sublinhou Isabel Oneto.

Durante a tarde de hoje, cerca de 50 indivíduos de cara tapada, alegadamente adeptos 'leoninos', invadiram a Academia e, depois de terem percorrido os relvados, chegaram ao balneário da equipa principal, agredindo vários jogadores, entre os quais Bas Dost, Acuña, Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Misic, assim como o treinador Jorge Jesus.

Após o encontro no Funchal, adeptos que acompanharam a equipa à Madeira manifestaram o seu desagrado junto do treinador e da equipa, chegando a registar-se tentativas de agressão a jogadores no aeroporto e insultos e protestos à chegada da comitiva a Lisboa e ao Estádio José Alvalade.

Na sequência destes acontecimentos, na segunda-feira, a SAD reuniu com a equipa técnica, os jogadores e os médicos, após as quais o presidente do clube, Bruno de Carvalho, negou que alguém tivesse sido suspenso no clube, contrariando as notícias que davam conta da suspensão e de um processo disciplinar a Jorge Jesus.

+ notícias: Desporto

Jogadores da Seleção Nacional animam baixa de Lisboa

Os jogadores da Seleção Nacional estiveram, na passada quinta-feira à tarde, junto dos adeptos na baixa de Lisboa. Durante o evento promovido pela marca que veste a equipa das 'quinas', os atletas foram muito acarinhados e receberam palavras de incentivo dos adeptos portugueses.

Ruben Dias diz que chamada à seleção é "sonho concretizado"

O defesa Ruben Dias, o único estreante nos eleitos de Fernando Santos, garantiu hoje que a sua chamada à principal seleção portuguesa de futebol "é um sonho concretizado".

Presidente do Turismo do Porto e Norte não acredita que o Rally de Portugal possa sair da região no próximo ano

O presidente do Turismo do Porto e Norte diz não acreditar que o Rally de Portugal possa sair da região no próximo ano. Em causa está a falta de verbas, a rondar os três milhões de euros, que têm de ser suportados pelo Estado para que a prova continue no nosso país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.