Info

Inscritos nos centros de emprego abaixo dos 400 mil pela primeira vez em 10 anos

Inscritos nos centros de emprego abaixo dos 400 mil pela primeira vez em 10 anos
| Economia
Porto Canal com Lusa

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 16,6% em março, face a igual mês de 2017, para 393.335 pessoas, caíndo 2,8% face ao mês anterior, segundo dados hoje divulgados pelo IEFP.

De acordo com os dados disponíveis na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2017, contribuíram todos os grupos do ficheiro de desempregados, com destaque para os homens (menos 19,1%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (menos 15,6%), os inscritos há um ano ou mais (menos 17,4%), os que procuravam novo emprego (menos 16,3%) e os que possuem como habilitação escolar o ensino secundário (menos 15,3%).

De acordo com a série longa do instituto, é preciso recuar a agosto de 2008 para encontrar um valor mais baixo do que aquele que foi apurado em março deste ano.

Segundo o IEFP, o desemprego afetava em março 42.259 jovens, o que representa uma redução homóloga de 23,6% e de 6,2% em termos mensais e representava 10,7% do desemprego registado.

Já o número de desempregados de longa duração apurado no final de março foi de 188,4 mil, diminuindo 17,4% em relação ao mês homólogo e recuando 0,9% em termos mensais. O desemprego de longa duração representa 47,9% do desemprego registado.

A nível regional, comparando com o mês de março de 2017, o desemprego registado diminuiu em todas as regiões do país, destacando-se o Algarve com a descida percentual mais acentuada (-19,7%), seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo (-17,6%).

No que respeita à atividade económica de origem do desemprego, 69,6% do total tinham trabalhado em atividades do setor dos serviços, com destaque para as "Atividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio" (25,6%).

+ notícias: Economia

Portugal com 2º maior excedente orçamental no 3º trimestre

Portugal registou o segundo maior excedente nas contas públicas (3,6% do PIB) na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018 e a maior subida face ao período anterior (6,4 pontos), segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat.

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

Retenção na fonte de salários médios ainda não reflete totalmente mudança no IRS

As tabelas de retenção na fonte para 2019 vão aumentar o rendimento líquido de maioria dos contribuintes, mas não refletem ainda integralmente o efeito da reorganização dos escalões do IRS e descida de taxas observado em 2018, segundo a consultora Deloitte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.