Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Rui Rio critica Governo e "credores" que impedem reposição do poder de compra

| Política
Porto Canal com Lusa

O líder do PSD criticou este domingo o Governo por "recusar dizer quem foram os credores que ficaram com o nosso dinheiro", impedindo "melhorar a qualidade de vida das pessoas" e "repor o poder de compra dos funcionários públicos".

Atualizado 15-04-2018 20:22

"Estamos a falar de um escasso número de pessoas que ficou a dever milhões e milhões à Caixa Geral de Depósitos [CGD] e ao Novo Banco [que ficou com os ativos e passivos de qualidade do BES - Banco Espírito Santo]. Nalguns casos, serão provavelmente os mesmos de um lado e de outro. Mas, se não temos capacidade para melhorar a qualidade de vida das pessoas e o poder compra dos funcionários públicos, digam, pelo menos, quem são os principais responsáveis por isso ter acontecido", afirmou Rui Rio.

O líder do PSD falava no encerramento do 25.º Congresso da Juventude Social Democrata (JSD), na Póvoa de Varzim, referindo-se ao Programa de Estabilidade apresentado na sexta-feira pelo Governo.

"Por que é que o Governo se recusa a dizer quem foram os credores que ficaram com o nosso dinheiro?", questionou Rio, explicando que "repor o poder de compra dos funcionários públicos custaria 300 milhões de euros" e "só na CGD e no Novo Banco o Estado meteu um total de oito mil milhões de euros", o que "são 25 vezes mais do que os 300 milhões de euros".

+ notícias: Política

Governo apresenta programas para Nova Geração de Políticas de Habitação

O Governo apresenta esta segunda-feira, em Lisboa, o pacote legislativo da Nova Geração de Políticas de Habitação, em que se destacam quatro novos instrumentos para responder às carências habitacionais e para promover o arrendamento acessível e a coesão territorial.

Presidente da República alerta para "paragem" do investimento no Serviço Nacional de Saúde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou este domingo, em Lisboa, que "houve uma paragem do investimento na saúde", com as sucessivas crises no país, "envelhecendo as estruturas do Serviço Nacional de Saúde", cuja solução se foi "empurrando".

Governo defende duplicação do IP3 entre Coimbra e Viseu

O IP3 vai ter duas vias em 85% do troço entre Coimbra e Viseu. A proposta do Governo vai ser apresentada aos autarcas e vai custar 134 milhões de euros. A solução é a resposta do executivo aos alertas de toda região para o número elevado de mortes nesta estrada.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.