Info

Rui Rio critica Governo e "credores" que impedem reposição do poder de compra

| Política
Porto Canal com Lusa

O líder do PSD criticou este domingo o Governo por "recusar dizer quem foram os credores que ficaram com o nosso dinheiro", impedindo "melhorar a qualidade de vida das pessoas" e "repor o poder de compra dos funcionários públicos".

Atualizado 15-04-2018 20:22

"Estamos a falar de um escasso número de pessoas que ficou a dever milhões e milhões à Caixa Geral de Depósitos [CGD] e ao Novo Banco [que ficou com os ativos e passivos de qualidade do BES - Banco Espírito Santo]. Nalguns casos, serão provavelmente os mesmos de um lado e de outro. Mas, se não temos capacidade para melhorar a qualidade de vida das pessoas e o poder compra dos funcionários públicos, digam, pelo menos, quem são os principais responsáveis por isso ter acontecido", afirmou Rui Rio.

O líder do PSD falava no encerramento do 25.º Congresso da Juventude Social Democrata (JSD), na Póvoa de Varzim, referindo-se ao Programa de Estabilidade apresentado na sexta-feira pelo Governo.

"Por que é que o Governo se recusa a dizer quem foram os credores que ficaram com o nosso dinheiro?", questionou Rio, explicando que "repor o poder de compra dos funcionários públicos custaria 300 milhões de euros" e "só na CGD e no Novo Banco o Estado meteu um total de oito mil milhões de euros", o que "são 25 vezes mais do que os 300 milhões de euros".

+ notícias: Política

Catarina Martins acredita que tenha sido "penoso" ao PS fazer medidas fora do seu programa

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse esta segunda-feira acreditar que tenha sido "penoso" ao PS fazer "medidas que não estavam no seu programa" como descongelar pensões, entre outras, respondendo ao líder parlamentar socialista, Carlos César.

Atualizado 26-03-2019 11:10

Rui Rio defende que objetivo do PSD nas eleições deve ser “afastar BE e PCP da esfera de poder”

O presidente do PSD defendeu esta segunda-feira que o objetivo do partido nas próximas legislativas deve ser “afastar BE e PCP da esfera do poder”, admitindo que pode haver razões para se manter como líder mesmo em caso de derrota eleitoral.

Marcelo diz que este "não é o momento ideal" para discutir a Lei de Bases da Saúde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que este "não é o momento ideal" para discutir a Lei de Bases da Saúde, considerando preferível que esta fosse discutida em "princípio de legislatura".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.