Jornal Diário Jornal das 13

Rui Rio critica Governo e "credores" que impedem reposição do poder de compra

| Política
Porto Canal com Lusa

O líder do PSD criticou este domingo o Governo por "recusar dizer quem foram os credores que ficaram com o nosso dinheiro", impedindo "melhorar a qualidade de vida das pessoas" e "repor o poder de compra dos funcionários públicos".

Atualizado 15-04-2018 20:22

"Estamos a falar de um escasso número de pessoas que ficou a dever milhões e milhões à Caixa Geral de Depósitos [CGD] e ao Novo Banco [que ficou com os ativos e passivos de qualidade do BES - Banco Espírito Santo]. Nalguns casos, serão provavelmente os mesmos de um lado e de outro. Mas, se não temos capacidade para melhorar a qualidade de vida das pessoas e o poder compra dos funcionários públicos, digam, pelo menos, quem são os principais responsáveis por isso ter acontecido", afirmou Rui Rio.

O líder do PSD falava no encerramento do 25.º Congresso da Juventude Social Democrata (JSD), na Póvoa de Varzim, referindo-se ao Programa de Estabilidade apresentado na sexta-feira pelo Governo.

"Por que é que o Governo se recusa a dizer quem foram os credores que ficaram com o nosso dinheiro?", questionou Rio, explicando que "repor o poder de compra dos funcionários públicos custaria 300 milhões de euros" e "só na CGD e no Novo Banco o Estado meteu um total de oito mil milhões de euros", o que "são 25 vezes mais do que os 300 milhões de euros".

+ notícias: Política

PCP lamenta “protelamento” do Governo face a professores e exorta cumprimento da lei

O PCP condenou hoje o "protelamento", por parte do Governo, nas negociações com os professores sobre a contagem integral do tempo de serviço e devidas remunerações, instando o executivo socialista ao cumprimento da legislação.

Governo está a equacionar um serviço de atendimento permanente no hospital de Ovar

O Governo está a equacionar a abertura de um serviço de atendimento permanente no Hospital Francisco Zagalo, em Ovar. Esta é pelo menos a convicção do movimento de utentes baseada no grupo de trabalho criado pelo ministério da Saúde para analisar a prestação de cuidados de saúde em Aveiro.

Empresários descontentes com alterações das regras do alojamento local

As regras do alojamento local mudaram. Os proprietários enfrentam agora mais custos e obrigações. Entre elas, a possibilidade de pagarem mais condomínio. Com a alteração da lei as câmaras municipais e os próprios condomínios passam a ter mais poderes no licenciamento.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.