Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo diz ser "erro profundo" posição de BE, PCP e PEV de ignorarem o que já mudou nas políticas laborais

| Política
Porto Canal com Lusa

(NOVO TÍTULO): Portalegre, 09 fev (Lusa) -- O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, considerou hoje um "erro profundo" a posição por vezes adotada pelos partidos que apoiam a solução de Governo, ao "ignorar" o que já foi alterado em termos de políticas laborais.

"Muita coisa já mudou, julgo que é um erro, até um erro profundo, ignorar o que já mudou, e mudou a política de salário mínimo, mudou a política para a contratação coletiva, mudou a política ativa de emprego. Os apoios ao emprego são hoje diferentes, muita coisa já mudou no mercado de trabalho com este Governo e as mudanças vão continuar", disse.

O ministro, que falava à agência Lusa em Portalegre, à margem da sessão de encerramento da conferência internacional "Qualificação, Emprego e Desenvolvimento Territorial", promovida pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional e a Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Alentejo", lamentou ainda a forma como "por vezes se desvaloriza" as alterações já efetuadas em termos de políticas laborais.

"Agora não posso garantir que todas elas correspondam [políticas laborais] à posição de cada um dos partidos, porque é sabido que todos os partidos que apoiam esta solução de Governo não têm sobre todos os aspetos a mesma posição. Agora, julgo que, por vezes, se desvaloriza a dimensão do que já foi mudado", sublinhou.

Para Vieira da Silva, "o mais importante" passa pelo que tem sucedido nos últimos dois anos, observando que o crescimento de postos de trabalho tem sido uma realidade, sendo esta "a grande mudança" das relações laborais.

"O mais importante é que nós hoje, face há dois anos (...), temos mais de um quarto de milhão de postos de trabalho do que tínhamos e essa é a grande mudança das relações laborais", sublinhou.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, avisou na quinta-feira que sem se alterar a legislação laboral, para combater a precariedade e ter contratação coletiva, é posta em causa a recuperação de rendimentos que tem conduzido ao crescimento económico e criação de emprego.

Questionado sobre esta matéria, Vieira da Silva escusou-se a comentar as declarações de Catarina Martins, recordando que existe um programa que foi negociado com os partidos que apoiam a solução governativa, e que são esses acordos e programa de Governo que "vão guiar" a ação do executivo.

"Nós faremos as mudanças que forem necessárias, não temos que ter todos a mesma opinião", acrescentou.(CORRIGE O TÍTULO ANTERIOR: "Governo diz ser "erro profundo" posição de BE, PCP e PEV sobre políticas laborais")

HYT// ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Fernando Negrão foi declarado eleito líder parlamentar do PSD com 39,7% dos votos

O deputado Fernando Negrão conseguiu hoje apenas 39,7% dos votos para a liderança parlamentar do PSD, correspondente a 35 votos favoráveis, 32 brancos e 21 nulos, tendo votado 88 dos 89 parlamentares sociais-democratas.

Bruxelas propõe alteração ao orçamento UE para mobilizar rapidamente ajuda dos incêndios

A Comissão Europeia propôs hoje emendas ao orçamento comunitário para garantir uma rápida mobilização dos apoios financeiros do Fundo de Solidariedade anunciados na semana passada, incluindo 49,1 milhões de euros para Portugal, na sequência dos incêndios de 2017.

Amnistia Internacional condena caso do juíz Neto de Moura

A Amnistia Internacional condena o caso relacionado com o problema da violência doméstica e da própria abordagem da justiça a este fenómeno. Aliás, o documento cita o exemplo do polémico acórdão de um juiz do porto sobre agressões cometidas a mulher chamada de adúltera.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.