Info

Governo diz ser "erro profundo" posição de BE, PCP e PEV de ignorarem o que já mudou nas políticas laborais

| Política
Porto Canal com Lusa

(NOVO TÍTULO): Portalegre, 09 fev (Lusa) -- O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, considerou hoje um "erro profundo" a posição por vezes adotada pelos partidos que apoiam a solução de Governo, ao "ignorar" o que já foi alterado em termos de políticas laborais.

"Muita coisa já mudou, julgo que é um erro, até um erro profundo, ignorar o que já mudou, e mudou a política de salário mínimo, mudou a política para a contratação coletiva, mudou a política ativa de emprego. Os apoios ao emprego são hoje diferentes, muita coisa já mudou no mercado de trabalho com este Governo e as mudanças vão continuar", disse.

O ministro, que falava à agência Lusa em Portalegre, à margem da sessão de encerramento da conferência internacional "Qualificação, Emprego e Desenvolvimento Territorial", promovida pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional e a Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Alentejo", lamentou ainda a forma como "por vezes se desvaloriza" as alterações já efetuadas em termos de políticas laborais.

"Agora não posso garantir que todas elas correspondam [políticas laborais] à posição de cada um dos partidos, porque é sabido que todos os partidos que apoiam esta solução de Governo não têm sobre todos os aspetos a mesma posição. Agora, julgo que, por vezes, se desvaloriza a dimensão do que já foi mudado", sublinhou.

Para Vieira da Silva, "o mais importante" passa pelo que tem sucedido nos últimos dois anos, observando que o crescimento de postos de trabalho tem sido uma realidade, sendo esta "a grande mudança" das relações laborais.

"O mais importante é que nós hoje, face há dois anos (...), temos mais de um quarto de milhão de postos de trabalho do que tínhamos e essa é a grande mudança das relações laborais", sublinhou.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, avisou na quinta-feira que sem se alterar a legislação laboral, para combater a precariedade e ter contratação coletiva, é posta em causa a recuperação de rendimentos que tem conduzido ao crescimento económico e criação de emprego.

Questionado sobre esta matéria, Vieira da Silva escusou-se a comentar as declarações de Catarina Martins, recordando que existe um programa que foi negociado com os partidos que apoiam a solução governativa, e que são esses acordos e programa de Governo que "vão guiar" a ação do executivo.

"Nós faremos as mudanças que forem necessárias, não temos que ter todos a mesma opinião", acrescentou.(CORRIGE O TÍTULO ANTERIOR: "Governo diz ser "erro profundo" posição de BE, PCP e PEV sobre políticas laborais")

HYT// ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Tancos: Ministério da Defesa investiga procedimento da PJ Militar

O Ministério da Defesa determinou a 04 de outubro a realização de uma “auditoria extraordinária aos procedimentos internos” da Polícia Judiciária Militar (PJM), na sequência da recuperação do material militar roubado dos paióis de Tancos no ano passado.

Câmara de Vila Real lança segunda-feira campanha sobre perigo na A24

A Câmara de Vila Real disse que vai colocar painéis nas entradas da Autoestrada 24 (A24) para alertar os automobilistas para os “perigos e falhas” da via, uma iniciativa apoiada pela Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM Douro).

Tancos: Presidente da República garante desconhecer factos sobre reaparecimento das armas

O Presidente da República garantiu este sábado à Agência Lusa desconhecer os factos na base do desaparecimento e reaparecimento das armas de Tancos, recordando que tem insistido na exigência do esclarecimento de "toda a verdade, doa a quem doer".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.