Info

BE quer mudança orçamental para que não se mercantilize espaços como o Panteão Nacional

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 nov (Lusa) - O BE defendeu hoje o apuramento de "todas as responsabilidades" sobre o uso do Panteão Nacional para jantares como o da Web Summit, mas considerou essencial mudar de filosofia orçamental para que não haja mercantilização de espaços como este.

A polémica em torno da realização de um jantar exclusivo de convidados da Web Summit no Panteão Nacional levou o Governo a classificar esta utilização para eventos festivos como "absolutamente indigna", tendo decidido alterar a lei que o permite, opção que o Presidente da República já considerou ser "muito sensata".

Em declarações à agência Lusa, o deputado do BE, José Manuel Pureza, afirmou que esta utilização do Panteão Nacional foi um "absurdo, um disparate, uma coisa ignóbil" e defendeu que sejam apuradas "todas as responsabilidades" e tiradas "daí todas as consequências que houver a tirar".

"Porque é que um espaço como o Panteão Nacional pode ser aberto, de acordo com um despacho do anterior Governo, a eventos sociais, de natureza privada? A única razão é arrecadar receita. E isso diz tudo sobre o que é, neste momento, a gestão da política cultural - incluindo a de património - que o Estado faz", explicou.

Por isso, para o bloquista, o essencial é "mudar de orientação" em termos orçamentais, para que deixe de ser preciso "arrecadar receitas de festas para poder manter um Panteão Nacional".

"Acho que o Governo, ao decidir mudar este regulamento, fez o que precisa ser feito. Há uma autorização que foi dada? Apurem-se as responsabilidades, mas só com a condição que isso não sirva para deixar de fazer o essencial: que não se mercantilizem espaços que não podem ser mercantilizados", defendeu.

A responsabilidade coletiva, na opinião de José Manuel Pureza, passa por "afetar recursos através do Orçamento do Estado à gestão do património e à política cultural".

"Nos últimos anos o orçamento para a cultura, incluindo para o património, tem sido qualquer coisa de inaceitável", criticou.

Para o deputado do BE, "o essencial é mudar de filosofia, de orientação porque não é admissível que se faça um evento privado, muito menos uma festa, num espaço como este" distinguindo cerimónias de Estado de "eventos, de natureza privada, comercial e festiva".

JF (SCA) // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

PAN quer alterar lei para que sexo sem consentimento seja crime de violação

O PAN quer alterar o Código Penal para que o sexo sem consentimento seja considerado crime de violação e endurecer a moldura penal para que os violadores cumpram pena de prisão, disse à Lusa o deputado André Silva.

Marcelo Rebelo de Sousa pede a Bombeiros e Governo que evitem afirmações que dificultem o diálogo

O Presidente da República apelou este domingo, a propósito do conflito entre Liga dos Bombeiros e Governo, para que todos os intervenientes evitem afirmações públicas que dificultem o diálogo neste "domínio muito sensível" da Proteção Civil.

Autarcas do Norte apresentam projeto para criar linha ferroviária Vale do Sousa

Vai ser apresentado, na próxima segunda-feira, um estudo preliminar sobre a desejada linha ferroviária do Vale do Sousa. Uma linha com 36 quilómetros que poderá custar cerca de 300 milhões de euros mas que pretende atravessar Valongo, Paredes, Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.