Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo apresenta oito questões aos parceiros sobre combate à precariedade

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 nov (Lusa) - O Governo apresenta hoje aos parceiros sociais um documento com oito perguntas sobre as soluções para a segmentação do mercado de trabalho, entre as quais estão alterações à TSU e a redução da duração máxima dos contratos a termo.

No documento de seis páginas do Ministério do Trabalho que está esta tarde em discussão na concertação social, a que a Agência Lusa teve acesso, o Governo sublinha que "importa atuar" no combate à precariedade, "preferencialmente, num ambiente de concertação social".

Assim, "tendo em vista a definição de linhas de atuação, há algumas questões que merecem reflexão e que se colocam à consideração dos parceiros sociais", lê-se no documento.

A primeira questão é se os parceiros concordam com a necessidade de serem "desencadeados esforços para reduzir a segmentação do mercado de trabalho, nomeadamente o peso das formas precárias ou atípicas de emprego na economia portuguesa".

A seguir é perguntado a sindicatos e patrões se admitem "a concretização legislativa de uma alteração na taxa contributiva dos contratos sem termo e a termo", ou seja, mexidas na Taxa Social Única (TSU).

Os presidentes das confederações patronais CIP (Confederação Empresarial de Portugal) e CCP (Confederação do Comércio e Serviços) responderam a esta questão logo à entrada da reunião, em declarações aos jornalistas, recusando tal hipótese.

"A maior parte dos contratos que se fazem são contratos sem termo" e por isso "a nossa posição é de oposição a essa questão", disse António Saraiva, presidente da CIP, referindo-se a um eventual aumento da TSU para as empresas no caso dos contratos precários.

Também Vieira Lopes defendeu que "não devia haver alterações à legislação laboral", acrescentando que a CCP é "contra qualquer alteração que penalize as empresas".

Além da questão da TSU, o Governo avança com mais hipóteses no documento, perguntando aos parceiros se estes "consideram vantajosa uma alteração legislativa que envolva a limitação dos fundamentos para a contratação a termo" ou a "redução da duração máxima legal da contratação a termo".

É ainda perguntado se os parceiros sociais "consideram útil a introdução de uma diferenciação setorial em matéria de condições para a contratação a termo" ou alterações à regra "que permite a renovação ilimitada dos contratos de trabalho temporário".

Por último, o Governo pergunta qual o papel que a negociação coletiva deve ter no combate à precariedade e segmentação do mercado de trabalho e quais as medidas que os parceiros sugerem.

DF// ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Política

CTT mantêm serviços em 14 localidades onde vão encerrar instalações

Os CTT pretendem avançar com 14 novos pontos de acesso em localidades onde irão encerrar instalações, cuja abertura ainda está a ser negociada com autarquias e entidades comerciais, informou hoje a empresa.

Vieira da Silva diz que "Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma"

O ministro do Trabalho e Solidariedade disse esta quarta-feira que "o Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma" e que o que houve foi uma "sugestão", tendo acrescentando que não há um valor definido para o eventual investimento no Montepio.

Salvador Malheiro não está preocupado com a polémica da 'carrinha' no dia das eleições do PSD

Salvador Malheiro diz que não está preocupado com o facto de alguns militantes social-democratas terem sido transportados para as urnas por uma carrinha de uma associação local. O caso foi denunciado pelo jornal online Observador, após as eleições diretas do partido. O diretor nacional de campanha de Rui Rio desvaloriza a acusação de caciquismo em Ovar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.