Info

Web Summit: SafeCloud cria ferramentas para empresas guardarem dados de forma segura

| País
Porto Canal com Lusa

Porto, 04 nov (Lusa) - A 'startup' do Porto SafeCloud Technologies vai estar pelo segundo ano consecutivo na Web Summit, que decorre em Lisboa entre 06 e 09 de novembro, apresentando um conjunto de ferramentas que permitem às empresas guardar dados de forma segura.

Esta ferramentas estão direcionadas para "todo o tipo de empresas, como bancos, hospitais e retalhistas, que tenham dados sensíveis e que, por isso, precisem de garantir a máxima segurança e privacidade", disse à Lusa Francisco Maia, um dos fundadores da 'startup' (empresa de base tecnológica em fase de desenvolvimento) e investigador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência da Universidade do Porto (INESC TEC).

A SafeCloud Technologies oferece às empresas três tipos de soluções, começando pelo SafeCloud Database, que armazena os dados na 'cloud' (nuvem), sempre encriptados e possíveis de aceder em qualquer tipo de rede, seja em casa do colaborador da empresa, seja numa rede pública, explicou o engenheiro informático.

O SafeCloud Storage, por sua vez, é um sistema configurável de armazenamento de dados que permite o suporte simultâneo de diferentes serviços e plataformas de armazenamento.

Já o SafeCloud workspace é um sistema de gestão de ficheiros, com um conjunto de funcionalidades semelhantes a serviços como o 'Dropbox', cujo o acesso "só é permitido a quem tem permissões para e que mantêm os dados protegidos mesmo no caso de um dispositivo ser comprometido", continuou o fundador.

"Nestes casos, os ficheiros e o seu conteúdo estão sempre sob o controlo do legítimo dono", indicou Francisco Maia, acrescentando que estas ferramentas garantem a segurança e a privacidade da informação, na medida em que a fragmenta em pedaços, "que separados são apenas ruído".

Através das ferramentas disponibilizadas pela SafeCloud Technologies, os dados permanecem encriptados em trânsito, tanto durante o processamento como em repouso, podendo assim os utilizadores "tirar o máximo partido de plataformas 'cloud', sem abdicar de fortes garantias de confidencialidade e proteção de dados", assegurou o empreendedor.

A SafeCloud Technologies surgiu no âmbito do projeto europeu SafeCloud, liderado pelo INESC TEC e responsável pelo desenvolvimento da aplicação SafeCloud Photos, que possibilita aos utilizadores finais guardar as fotografias de forma segura e que foi apresentada na edição de 2016 do na conferência mundial de tecnologia Web Summit.

"No primeiro ano em que participamos, sabíamos que tínhamos uma ideia interessante, desenvolvemos a aplicação e queríamos divulgá-la, mas estávamos a aprender", contou Francisco Maia, garantindo que a presença no evento os ajudou "a abrir os horizontes".

A Web Summit "colocou-nos em contacto com pessoas de diferentes áreas, que não só forneceram o 'feedback' sobre a aplicação mas também fizeram um conjunto de perguntas sobre o modelo de negócio, dando-nos o impulso para continuar e mostrando-nos a direção a tomar", referiu.

"Decidimos participar novamente este ano para termos contacto com os investidores, visto que neste momento estamos em condições de procurar a primeira onda de financiamento para nos podermos dedicar a isto a 100% ao projeto", disse ainda o investigador.

A SafeCloud Technologies é constituída por quatro investigadores do INESC TEC e dois da Universidade de Neuchâtel, na Suíça.

Durante este ano, para além do desenvolvimento das ferramentas para as empresas, a equipa entrou num processo de registo de patente para a tecnologia SafeCloud Photos.

TYP // JPF

Lusa/Fim

+ notícias: País

Professores vão lecionar outras disciplinas para colmatar falha de docentes

Os professores vão passar a dar aulas de uma disciplina diferente da sua formação para colmatar a falta de professores nas escolas. A Fenprof critica a forma como o Governo pretende resolver o problema da falta de professores.

Operação Nariz Vermelho avançou para MP com base em queixas da atuação do Kastelo

A Operação Nariz Vermelho apresentou queixa no Ministério Público (MP) contra a Associação NoMeioDoNada por suspeita de negligência e maus tratos na Casa do Kastelo "após tomada de conhecimento de alegadas situações que caso sejam comprovadas são inaceitáveis".

Mais de 70 medicamentos inovadores aprovados em Portugal só no ano passado

Mais de 70 novos medicamentos foram aprovados no ano passado em Portugal pela Autoridade do Medicamento, que conseguiu reduzir em mais de 200 milhões de euros as condições propostas pelas farmacêuticas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.