Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Preço médio de quarto para estudante no Porto aumenta 40% para 270 euros

Preço médio de quarto para estudante no Porto aumenta 40% para 270 euros
| Norte
Porto Canal com Lusa

Um quarto para arrendar no Porto a um estudante do ensino superior está a custar, em média, 270 euros, um aumento de cerca de 40% em relação aos preços médios do ano letivo passado.

Se no ano letivo passado um estudante do ensino superior no Porto conseguia arrendar um quarto por valores entre os 140 e os 250 euros, o que dava uma média de 195 euros por mês, este ano o preço médio de um quarto individual aumentou para 270 euros, disse à Lusa Inês Amaral, marketing manager na Uniplaces, uma plataforma ‘online’ de alojamento universitário que estabeleceu uma parceria com a Federação Académica do Porto (FAP), e que garante aos estudantes um “contrato de arrendamento”, “emissão de recibo de renda” e “verificação das propriedades” (selo de qualidade).

“Temos muito mais procura do que no ano passado, porque o número de estudantes estrangeiros tem aumentado muito e são 80% do nosso ‘target’ (alvo)”, informa Inês Amaral, explicando que, como há mais procura e menos oferta, e há a pressão turística, o preço médio de um quarto no Porto aumentou e atualmente cifra-se nos 270 euros por mês, enquanto que o preço de um estúdio sobe para uma média de 350 euros/mês.

O estudante alvo que procura a plataforma da Uniplaces é “internacional”, quer um quarto individual em casa partilhada, tem uma estádia média de cinco meses, porque a maioria vem integrada no programa Erasmus, e é oriundo, principalmente, do Brasil e da Europa (França, Alemanha e Itália), descreve aquela responsável da Uniplaces, acrescentando que as zonas mais procuradas no Porto são Paranhos, Bonfim e Cedofeita.

Em 2015, a Federação Académica do Porto (FAP) associou-se à Uniplaces, empresa que venceu a IV edição do Prémio Nacional Indústrias Criativas em 2012, para ajudar os estudantes na procura de alojamento, que têm um desconto de 20% sobre as taxas do serviço.

Em entrevista à Lusa, a presidente da FAP, Ana Luísa Pereira, confirma que há “muitos estudantes” a recorrer àquela plataforma para procurar alojamento, “porque oferece garantias de segurança ao nível da “qualidade” e “obtenção de um recibo que faz toda a diferença para as famílias”.

Numa pesquisa que a agência Lusa realizou na página da Internet da Uniplaces podem encontrar-se ofertas tão variadas como um quarto em Pedrouços por 180 euros, um apartamento com dois quartos perto do Parque da Cidade a 1.200 euros/mês ou um apartamento estúdio em Santo Ildefonso por 650 euros.

A Universidade do Porto (U.Porto) vai bater no ano letivo 2017/2018 o recorde de estudantes estrangeiros, ultrapassando a fasquia dos quatro mil alunos e quase duplicando número de estudantes com estatuto internacional.

“No total, a Universidade do Porto este ano letivo 2017/2018], vai ultrapassar os quatro mil alunos estrangeiros. Deve chegar aos 4.200 alunos”, avançou à Lusa fonte das relações públicas da U.Porto, à margem de uma entrevista telefónica no âmbito da cerimónia de boas-vindas a estudantes internacionais realizada na quarta-feira transata na reitoria daquela instituição de ensino superior.

Também este ano letivo, a U.Porto regista um maior número de alunos inscritos “com estatuto internacional” (cerca de 400), em relação ao ano passado (200), acrescentou a mesma fonte, referindo que estes estudantes podem fazer todo o primeiro ciclo (licenciatura e mestrados integrados) naquela universidade portuguesa”.

A U.Porto, com cerca de 30 mil alunos, tem uma capacidade atual para acomodar em residências estudantis cerca de 4% desse universo total, onde os estudantes pagam cerca de 70 euros/mês.

+ notícias: Norte

80% do concelho de Castelo de Paiva foi destruído pelo fogo

Cerca de 80% do concelho de Castelo de Paiva foi consumido pelo fogo que começou em Vale de Cambra. A situação mais preocupante viveu-se esta segunda-feira na freguesia de Real. Várias casas foram destruídas pelas chamas e pelo menos 200 pessoas tiveram de ser retiradas de um pavilhão.

Autarca de Vouzela estima que 80% a 90% do concelho tenha sido "arrasado" pelas chamas

O presidente da Câmara de Vouzela, Rui Ladeira, disse esta terça-feira que "80% a 90% do concelho foi arrasado" pelas chamas, que também deixaram "pelo menos 20 famílias desalojadas" e destruíram "centenas de postos de trabalho".

Em Vouzela a população entrou em desespero com a força das chamas

                               

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"