Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Solução para fim do plástico no mar pode estar num fungo que vive no mar

| País
Porto Canal com Lusa

Redação, 26 jun (Lusa) - Cientistas portugueses detetaram que um fungo que vive nos oceanos destrói plástico, uma descoberta que pode ser promissora para o combate da poluição do mar causada por sacos de plástico, divulgou hoje a Universidade de Aveiro.

O fungo tem o nome científico de "Zalerion maritimum", habita nas costas portuguesa (não se sabe exatamente onde) e espanhola e ao largo da Austrália e da Malásia, sendo também responsável pela degradação da madeira.

Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro simulou, em laboratório, o mar poluído com plástico, o mesmo que é usado nos sacos de compras, e verificou que, nesse ambiente, a população de fungos aumentava à medida que a quantidade de plástico diminuía.

Em sete dias, o plástico degradou-se na ordem dos 70%, precisou à Lusa a coordenadora da investigação, Teresa Rocha Santos, do Departamento de Química e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Universidade de Aveiro.

O fungo, de aparência esponjosa e cor esbranquiçada, "é muito pequenino, e só vai procurar os plásticos como fonte de alimento se não tiver outras".

"Tendo no seu 'habitat' natural outras fontes de alimento, [o fungo] não vai procurar os plásticos. Mas também não há nada que nos diga que ele não esteja a degradá-los, só que não é em grande quantidade", assinalou a investigadora.

Para Teresa Rocha Santos, os resultados do trabalho de laboratório, publicados na revista da especialidade Science of The Total Environment, podem ser promissores para destruir o plástico em pequenas estações de tratamento instaladas junto à costa e a estuários, onde o fungo "Zalerion maritimum" seria cultivado a uma escala maior, mas de forma controlada, para consumir o plástico que é recolhido e deitado dentro dessas estações.

A cientista disse que o método usado atualmente passa apenas por retirar o plástico das águas com redes e colocá-lo em aterros.

Depois de ter testado durante 28 dias o comportamento do fungo perante o plástico numa incubadora, com água do mar a 22ºC (temperatura ótima de crescimento do "Zalerion maritimum"), com agitação e enriquecida com alguns, mas poucos, nutrientes à base de açúcares e hidratos de carbono, a equipa partiu para uma experiência-piloto onde está a simular uma estação de tratamento de plásticos com o fungo.

"Estamos a simular, em testes em aquário, o ambiente de uma estação de tratamento. Só temos água do mar [sem nutrientes adicionais], fungo e os plásticos", apontou Teresa Rocha Santos, adiantando que são esperados resultados desta experiência em setembro.

Outros estudos terão de ser aprofundados, como o da eventual toxicidade das águas decorrente da decomposição do plástico. Na experiência inicial, a equipa científica não detetou vestígios de compostos tóxicos na água.

O trabalho coordenado pela Universidade de Aveiro tem a colaboração da Universidade do Porto e da Universidade Católica Portuguesa.

ER // HB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Chuva regressa quarta-feira, mas não para todo o território continental

A chuva vai regressar a Portugal continental a partir de quarta-feira, mas apenas às regiões a norte do sistema Montejunto-Estrela, disse a meteorologista Maria João Frada.

Forças de segurança fazem simulacro de acidente com um avião militar

A Câmara Municipal de Ovar, a Força Aérea, PSP e Proteção Civil simularam na manhã deste domingo um acidente com um avião militar. O objetivo do exercício é treinar os procedimentos de socorro em acidentes aéreos.

Dia Mundial dos Pobres quer promover uma sociedade mais justa

O primeiro Dia Mundial dos Pobres celebrou-se este domingo, e a data surge a pedido do Papa Francisco, para que a Igreja não deixe de refletir sobre a sua verdadeira missão, a de promover uma sociedade mais justa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS