Jornal Diário Jornal das 13

Municípios exigem fundo de emergência para zonas afetadas pelos incêndios

Municípios exigem fundo de emergência para zonas afetadas pelos incêndios
| País
Porto Canal com Lusa

Os municípios exigem a ativação do Fundo Municipal de Emergência (FME) nos concelhos afetados pelos incêndios, a reposição dos meios danificados dos bombeiros e a imediata concretização do cadastro rural, disse este sábado a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

Dois grandes incêndios florestais atingiram na última semana a região Centro, nomeadamente nos concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pera, Góis, Arganil e Pampilhosa da Serra, e provocaram 64 mortos e mais de 200 feridos.

O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), Manuel Machado, disse este sábado à agência Lusa que o FME deve ser acionado nos municípios mais atingidos pelos incêndios florestais e que é necessária a "rápida reposição dos equipamentos danificados dos bombeiros", através da criação imediata de um programa comunitário de apoio.

É igualmente necessária a "concretização do cadastro da propriedade rústica", defendeu Manuel Machado, sublinhando que este levantamento contribuirá, designadamente, para identificar "os proprietários que não cuidam da limpeza das florestas e das faixas de segurança", e para distinguir aqueles que podem pagar dos que não têm condições económicas e precisam de apoios para isso.

O levantamento cadastral é um instrumento essencial para melhorar a gestão da floresta, salientou.

Além destas ações, a ANMP reivindica a rápida adoção de medidas, como a criação de um programa de apoio às zonas atingidas pelos fogos, "tendo em vista, entre outras ações, a reflorestação".

As câmaras municipais devem, por outro lado, recuperar as receitas provenientes dos prémios de seguro contra fogos, de seguros de transportes de mercadorias perigosas, de seguros agrícolas e pecuários, e também de imóveis, sustentou o autarca, referindo que essas receitas foram retiradas aos municípios em finais da década de 1980 -- "agora, mais do que nunca", justifica-se a sua "reposição como receitas municipais" para "financiar a proteção civil municipal".

A criação de "um programa de incentivo ao associativismo entre os cidadãos das comunidades", para a realização de "ações de silvicultura preventiva", com o apoio e coordenação das autarquias locais, é outra das medidas preconizadas pelos municípios para que a floresta passe a ser melhor gerida e para que a "tragédia dos fogos florestais" seja travada.

"Os sucessivos governos têm produzido legislação", mas não têm adotado medidas para dotar as autarquias dos "meios necessários para o exercício cabal" das suas responsabilidades, conforme impõe a Lei das Finanças Locais, sublinhou o presidente da Associação, que também é presidente da Câmara de Coimbra.

A situação tem obrigado as autarquias a canalizar para esta área "meios humanos, financeiros e técnicos afetos ao exercício de outras competências municipais, tendo sempre presente a segurança e os legítimos interesses e anseios das comunidades locais", advertiu Manuel Machado.

"Apesar das dificuldades", os municípios instalaram e mantêm em funcionamento gabinetes técnicos florestais e comissões de defesa da floresta contra incêndios, e têm elaborados os respetivos planos, exemplifica.

Só os municípios do continente gastam anualmente, com a proteção civil, de acordo com um estudo encomendado pela ANMP, cerca de 200 milhões de euros, destacou Manuel Machado.

Aquele montante destina-se a corpos de bombeiros dos municípios e de voluntários, a serviços municipais de proteção civil, a gabinetes técnicos florestais, a equipas de intervenção permanente, a sapadores florestais e a planeamento de proteção civil, enumerou.

Além destas e outras medidas, os municípios alertam para a necessidade de resolver a conflitualidade entre usos da floresta, como a produção florestal e a pastorícia e a caça, permitindo a complementaridade das duas atividades, referiu o presidente da ANMP.

Na Assembleia da República está, "há algum tempo, um conjunto de diplomas relacionados com esta problemática e era importante" que os deputados se pronunciassem sobre eles, concluiu Manuel Machado, recordando que, "atempadamente", a ANMP se "pronunciou favoravelmente" sobre três desses diplomas "diretamente relacionados com estas matérias".

Dois grandes incêndios, que provocaram a morte a 64 pessoas e ferimentos a mais de 200, deflagraram no dia 17 na região Centro, tendo obrigado à mobilização de mais de dois milhares de operacionais.

Estes incêndios, que deflagraram nos concelhos de Pedrógão Grande e Góis, consumiram cerca de 53 mil hectares de floresta [o equivalente a 53 mil campos de futebol] e obrigaram à evacuação de dezenas de aldeias.

O fogo que deflagrou em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, alastrou a Figueiró dos Vinhos e a Castanheira de Pera, fazendo 64 mortos e mais de 200 feridos.

As chamas chegaram ainda aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra, mas o fogo foi dado como dominado na quarta-feira à tarde.

O incêndio que teve início no concelho de Góis, no distrito de Coimbra, atingiu também Arganil e Pampilhosa da Serra, sem fazer vítimas mortais. Ficou dominado na manhã de quinta-feira.

+ notícias: País

Sindicato diz que a greve dos enfermeiros adia mil cirurgias no S. José, Sta. Maria e S.João

A greve dos enfermeiros, que cumpre hoje o segundo dia, vai obrigar ao adiamento de mil cirurgias nos hospitais de Santa Maria e S. José, em Lisboa, e no São João, no Porto, disse à Lusa uma fonte sindical.

Adesão à greve dos enfermeiros no Norte varia entre 9,5% e os 62%

O conselho diretivo da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte afirmou hoje que a percentagem de adesão à greve dos enfermeiros, que começou na segunda-feira, “oscila entre os 9,5% e os 62%”.

Funcionários do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais exigem aumentos salariais

As cantinas, lavandarias, e serviços de limpeza e manutenção dos hospitais também tiveram esta segunda-feira trabalhadores em greve. Os funcionários do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais exigem sobretudo aumentos nos salários. O sindicato diz que a adesão à greve chegou aos 90%; a associação SUCH fala em 19%.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...