Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Cerca de mil trabalhadores não docentes manifestam-se por carreiras e contra municipalização

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 21 abr (Lusa) -- Cerca de um milhar de trabalhadores não docentes partiu hoje da estação de Entrecampos, em Lisboa, em direção ao Ministério da Educação para exigir uma carreira para os funcionários e contestar a municipalização da educação.

Os cerca de mil funcionários das escolas concentraram-se junto à estação de Entrecampos, em Lisboa, de onde partiram às 15:00, para percorrerem cerca de 500 metros em direção ao Ministério da Educação, na avenida 5 de Outubro, numa manifestação convocada pela Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, afeto à CGTP-In.

"Emprego com Direitos sim, precariedade não", "É preciso é urgente mais trabalhadores não docentes" e "Não e não à municipalização" eram algumas das palavras de ordem que os manifestantes entoavam a caminho do Ministério, empunhando faixas e bandeiras do sindicato.

Centenas de escolas de norte a sul do país estão encerradas hoje por causa do pré-aviso de greve emitido pelos sindicatos dos trabalhadores em funções públicas para permitir a participação na manifestação.

A estrutura sindical reclama a integração por via excecional, sem concurso, de cerca de 2.000 funcionários que reúnem as condições para a vinculação aos quadros do Estado, de acordo com a informação prestada à agência Lusa pelo coordenador para a área da educação, Artur Sequeira, na altura da apresentação da iniciativa, no início do mês.

No local da manifestação será depois aprovada uma resolução para entregar ao Ministério.

A federação queixa-se de falta de resposta do Ministério a um caderno reivindicativo que entregou em fevereiro e que, além desta questão, inclui uma nova portaria de rácios que tenha em conta o tipo de escola e a localização e não apenas os números de alunos e de funcionários.

Os trabalhadores não docentes pretendem também negociar carreiras especiais e assegurar que não ficam na tutela das autarquias, ao abrigo de um processo de descentralização que contestam.

IMA (SO) // HB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Autarquias portuguesas estão a tomar medidas para prevenir ataques terroristas

Em Portugal, algumas autarquias estão a tomar medidas para prevenir ataques terroristas como aquele que aconteceu em Barcelona. No Porto, só são colocadas barreiras de betão em eventos com grande concentração de pessoas. Já em Vila Nova de Gaia, à beira-rio foram colocadas barreiras na altura do São João mas a autarquia optou por mantê-las.

O que fazer em caso de atentado terrorista?

A PSP lançou um guia para a população seguir em caso de ataque terrorista em Portugal. Fugir, proteger e ligar são os três principais conselhos.

Número de detidos por suspeita de fogo posto quase duplicou face a 2016

As forças de segurança detiveram este ano 102 pessoas suspeitas do crime de incêndio florestal, quase o dobro do número registado (53) em 2016, segundo o comandante da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...