Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Passos considera "história da carochinha" esperar que Europa resolva problema do malparado

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 mar (Lusa) - O líder do PSD defendeu hoje que o Governo tem de assumir que resolver o problema do crédito malparado "vai custar dinheiro" a alguém, considerando uma "história da carochinha" dizer que este vai ser resolvido milagrosamente pela Europa.

Numa intervenção num almoço do Fórum de Administradores de Empresas (FAE), Pedro Passos Coelho estimou que faltam "limpar cerca de 20 mil milhões de euros" em imparidades e crédito malparado no sistema financeiro, dos 40 a 50 mil milhões existentes em 2011, defendendo que estes problemas possam continuar a ser resolvidos pelo próprio sistema.

"Há no entanto quem pense de outra maneira e imponha custos demasiados a todos para que o problema se possa resolver. Uma solução para limpar crédito malparado ou custa dinheiro ao Estado e aos contribuintes, ou custa dinheiro aos acionistas dos bancos ou custa dinheiros às empresas ou custa dinheiro aos clientes dos bancos", afirmou.

Considerando que o problema no sistema financeiro continua a existir, Passos Coelho alertou que "dizer que milagrosamente o problema se vai resolver porque na Europa se vai arranjar uma maneira de o resolver é a mesma conversa da carochinha e a conversa de cordel para os processos de reestruturação da dívida".

"É acharmos que alguém paga por nós e isso não existe", afirmou.

SMA // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

BE insiste que venda a privados do Novo Banco é um erro e por isso não apoiará Governo

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, insistiu hoje que é um “erro” vender o Novo Banco a privados, salientando que o Governo não terá o apoio do partido neste processo.

Bruxelas admite que Estado mantenha parte do capital se assumir outros compromissos do Novo Banco

A comissária europeia da Concorrência, Margrethe Vestager, admitiu hoje a possibilidade de o Estado português manter 25% do capital do Novo Banco, mas apontou que então deverá assumir outros compromissos, escusando-se a especificar quais.

Bruxelas alerta que mudanças nas pensões antecipadas trazem riscos

A Comissão Europeia considera que a redução da penalização nas reformas antecipadas para quem tem mais de 48 anos de descontos pode comprometer o fim das transferências extraordinárias do Orçamento do Estado para a Segurança Social.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Imperdíveis

Casa Ermelinda Freitas em Águas...