Info

1.º Fórum do Património quer alternativa estratégica a abordagem "economicista"

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 jan (Lusa) - O 1.º Fórum do Património, que vai decorrer em abril, em Lisboa, anunciou hoje que quer criar uma "alternativa estratégica à abordagem demasiado economicista que vigora em relação ao património cultural".

Esta intenção foi hoje manifestada em conferência de imprensa, no Centro Nacional de Cultura (CNC), por Vítor Cóias, do Gecorpa - Grémio do Património, coordenador e um dos cinco organizadores do evento, presentes no anúncio do Fórum.

O responsável indicou que, no final desse Fórum, será produzida uma declaração final com um conjunto de princípios estratégicos para entregar aos decisores políticos, mas colocam a hipótese de fazer outras iniciativas, como pedir audiências aos grupos parlamentares, organizar manifestações e interpor providências cautelares, quando considerarem que estão a ser "cometidos erros graves" no setor.

"A forma como estamos a tratar o nosso património impede a sua utilização sustentável", afirmou o responsável na conferência de imprensa, apontando genericamente "falhas na legislação" e a "atitude predatória no setor imobiliário", como alguns dos fatores negativos.

Da comissão organizadora fazem ainda parte a Associação Portuguesa das Casas Antigas, a Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos, a Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial e a Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património, sob a égide do ICOMOS - Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios.

AG // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Desagravamento da seca no continente em novembro, Algarve mantém seca extrema

Portugal continental registou em novembro um desagravamento da seca meteorológica, mas no sotavento algarvio manteve-se em situação de seca extrema, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Metade dos hospitais EPE em falência técnica no ano passado

Metade dos hospitais EPE estavam no ano passado em falência técnica, segundo uma análise do Conselho das Finanças Públicas hoje divulgada.

Estudo aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso

Um estudo da Faculdade de Economia do Porto que aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso. A dimensão dos municípios, a falta de financiamento adequado e os prazos demasiado curtos são os aspetos que levam a concluir que o modelo de descentralização não é bom para o País.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.