Licenciatura não é válida mas Sócrates mantém título de engenheiro

Licenciatura não é válida mas Sócrates mantém título de engenheiro
| Política
Porto Canal (LYC)

O curso superior do ex-primeiro-ministro, José Sócrates, foi considerado nulo, mas o seu título de engenheiro mantém-se, avançou o Correio da Manhã, esta quarta-feira.

Segundo o mesmo jornal, as equivalências dadas em diversas disciplinas na Universidade Independente, a José Sócrates, são ilegais, uma vez que foram realizadas por um órgão sem competência legal para tal. No entanto, o princípio de segurança jurídica está acima das questões legais e, por isso, este permanece com o título de engenheiro.

O CM teve acesso ao despacho do Ministério Público junto do Tribunal Administrativo de Lisboa, no qual é dito que “no caso verificou o incumprimento de todo o procedimento legalmente exigido para a atribuição da equivalência”, o que “carreta a nulidade dos atos subsequentes”. Sendo assim, “todo o percurso académico “ nomeadamente “o ato de atribuição das suas licenciaturas” são nulos.

Contudo, Sócrates continua a ser engenheiro. Segundo o Ministério Público, o princípio de segurança jurídica sobrepõe-se à legalidade, ou seja, se o título fosse retirado ao antigo primeiro-ministro, vários estudantes da Universidades Independente, que estão na mesma situação, poderiam ver “cassados os seus diplomas”.

 

+ notícias: Política

Montenegro critica aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos por "retirar riqueza aos portugueses"

O presidente do PSD, Luís Montenegro, criticou hoje o aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), considerando que esta é uma “medida injusta” e que tem tido um “duplo efeito fiscal”.

PS acusa PSD de "problema de consciência" e de querer desmantelar o SNS

O secretário-geral adjunto do PS, João Torres, acusou no passado sábado à noite o PSD de ter um "problema de consciência" em relação ao Serviço Nacional de Saúde e de querer privatizá-lo e desmantelá-lo.

PCP classifica lamentos pela desertificação como "lágrimas de crocodilo" e aponta o dedo às "políticas de direita"

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, rejeitou este sábado a ideia de que o interior do país esteja condenado e apontou o dedo às “políticas de direita”, classificando os lamentos pela desertificação como “lágrimas de crocodilo”.