Sócrates lamenta a falta de apoio do PS

Sócrates lamenta a falta de apoio do PS
tvi
| Política
Porto Canal

O ex-primeiro-ministro José Sócrates defendeu hoje que, ao fim de seis meses em prisão preventiva, o PS deveria ter perguntado pelas provas do seu processo, considerando que teve como efeito prejudicar os socialistas nas eleições legislativas.

Estas afirmações foram proferidas por José Sócrates em entrevista à TVI, depois de confrontado com a posição oficial do PS, liderado por António Costa, de separação entre justiça e política, não se pronunciando sobre o seu caso judicial.

"Ao fim de seis meses, eu realmente o que contava não é que o PS interviesse no processo, mas que o PS dissesse: Desculpem, mas não será o momento de apresentarem as provas? Acham que isto não passou já a mais? Não acham que o PS está a ser prejudicado por isto?", declarou o ex-primeiro-ministro, numa alusão crítica à direção do seu partido.

De acordo com José Sócrates, o processo judicial que o envolve "serviu para alimentar a conversa" do executivo PSD/CDS-PP "sobre o Governo anterior" do PS, "porque lançou um manto de suspeição sobre o Governo anterior: Um Governo desonesto".

José Sócrates defendeu depois que "o Ministério Público devia ter e tinha consciência disso", referindo-se às consequências políticas do processo que o envolve.

A seguir, no entanto, ressalvou: "Não digo que tivesse essa intenção, mas o resultado foi esse: Prejudicar o PS, e prejudicar [o PS] nas eleições. Repare, só me soltaram depois das eleições. É por isso que eu acho que a justiça se expôs. Eu quando digo justiça, a comunidade jurídica percebe o que estou a dizer: Estou a falar destas pessoas que tomaram decisões", apontou.

Para o ex-secretário-geral do PS, "as decisões que foram tomadas neste caso deixam a suspeição de que as consequências foram obtidas".

"Já não precisam de apresentar a acusação, já não precisam de apresentar a prova e já não precisam sequer de fazer julgamento, porque o julgamento já foi feito nos jornais. É essa a impressão que dá", sustentou ainda o ex-primeiro-ministro.

Na entrevista, José Sócrates recusou-se a esclarecer quais as suas relações atuais com o secretário-geral do PS, mas deixou um recado: "Ao longo deste último ano não me faltaram os amigos".

"Todos aqueles que queria que estivessem comigo estiveram e continuaram comigo".

Sócrates diz que PGR é a principal responsável pelo processo

José Sócrates considerou hoje que a procuradora geral da República é a "principal responsável pelo comportamento do Ministério Público" no processo "operação Marquês" e que o caso serviu para prejudicar o PS nas eleições legislativas.

Em entrevista à TVI, o ex-primeiro ministro disse que Joana Marques Vidal "é a principal responsável por este processo, tem de dar uma explicação pública pelo comportamento do Ministério Público e pelo facto de todos os prazos estarem esgotados".

Sócrates, que esteve em preso preventivamente e está indiciado por corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, defendeu que a condução deste "odioso processo" com uma "dimensão selvática" e teve como consequência política "o PS perder as eleições".

"A consequência politica já ocorreu, o PS já perdeu as eleições. É a minha legítima suspeita. Não precisam de apresentar nem provas, nem factos porque a prisão funciona como prova", disse.

 

+ notícias: Política

TAP. António Costa e Medina devem pedir “desculpa” aos portugueses, diz Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou esta segunda-feira que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças devem pedir “desculpa aos portugueses" por “terem injetado mais de três mil milhões de euros” na TAP.

Exames finais no ensino secundário são para manter, garante Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu ao final da tarde desta segunda-feira que o Governo vai manter os exames finais no ensino secundário.

Marta Temido é a nova presidente da concelhia do PS de Lisboa

Marta Temido é a nova presidente da comissão política da concelhia de Lisboa do Partido Socialista. Segundo avançou a ‘CNN Portugal’, a ex-ministra da Saúde assume o cargo que anteriormente era assegurado por Davide Amado.