Futuro dos jovens médicos em análise no Porto

| Norte
Porto Canal / Agências

Porto, 21 mai (Lusa) - O numerus clausus excessivo, a falta de vagas para o acesso ao internato médico e o congelamento das contratações do Estado são assuntos em debate numa conferência a realizar quarta-feira, no Porto, sobre "O futuro dos jovens médicos".

"É esta a situação vivenciada pelos jovens médicos em Portugal. O futuro poderá ter de passar pela emigração", afirmou António Marques Pinto, presidente pela Associação dos Jovens Médicos (AJOMED), que organiza o encontro.

O dirigente da AJOMED salientou que a abertura de um elevado número de vagas nos cursos de medicina portugueses, mesmo contra a indicação das escolas médicas, gerou um excesso de médicos recém-formados que não poderão ser devidamente treinados.

"Não existe capacidade formativa suficiente, no âmbito do internato médico, para assimilar o número de estudantes que termina os cursos de medicina. Por isso, estes jovens, que ingressaram num dos cursos mais exigentes do país e obtiveram qualificações de elevada qualidade, poderão ficar sem emprego e sem alternativas, porque não poderão exercer a sua profissão sem realizar o Internato", acrescentou.

A Associação dos Jovens Médicos considera que "a situação resulta da falta de articulação que existe entre o Ministério da Saúde e o Ministério da Educação e Ciência. Há um desajuste significativo entre a oferta e a procura. Os argumentos das faculdades de medicina nacionais, que têm sido obrigadas a abrir vagas para mais alunos do que aqueles que conseguem suportar, não têm sido suficientes para travar a situação".

Assim, refere o dirigente da AJOMED, "contrariamente ao que se verificava há poucos anos, já há médicos a emigrar e a atual conjetura socioeconómica deve agravar o cenário e levar o país a perder recursos humanos de elevada qualidade e cuja formação foi essencialmente financiada pelo Estado".

Na conferência participam Agostinho Marques (diretor da FMUP), Álvaro Almeida (ex-presidente da Entidade Reguladora da Saúde), Roberto Pinto (coordenador do Conselho Nacional do Médico Interno), Luís Portela (presidente do Grupo BIAL e do Health Cluster Portugal), Miguel Guimarães (presidente da Secção Regional Norte da Ordem dos Médicos) e Manuel Pizarro (ex-secretário de Estado da Saúde e atual deputado à Assembleia da República).

Conta também com representantes de vários sindicatos médicos, membros de conselhos de administração de hospitais públicos e privados, bem como representantes de vários institutos e centros de investigação.

A AJOMED explica que a formação médica passa pela realização de seis anos de curso numa faculdade de medicina, mas não termina aí. Os recém-formados têm de realizar provas, ser aceites e concretizar um ano de internato comum, num hospital, por forma a complementaram a sua formação. Posteriormente, deverão ingressar no internato de especialidade, o que poderá durar entre quatro a seis anos a concluir, de acordo com a especialidade médica em causa.

No total, a formação de um médico pode demorar até 13 anos.

PM // JGJ

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Vai nascer uma “vila dentro da cidade” de Matosinhos

Está em discussão pública um projeto imobiliário da Mota-Engil que contempla a urbanização de 27 hectares entre Perafita e Santa Cruz do Bispo, em Matosinhos. O projeto de nome “OPO City” está, de acordo com o Jornal de Notícias, em discussão pública até oito de maio e contempla terrenos circunscritos a uma área composta pela Avenida Vasco Graça Moura, a Avenida Arquitecto Fernando Távora, a Rua Tir e a Estrada Nacional n.º 107.

Marco de Canaveses inaugura parque urbano com 14 mil metros quadrados

A Câmara de Marco de Canaveses, no distrito do Porto, vai inaugurar no dia 25 de abril um novo parque verde no centro da cidade, com 14.000 metros quadrados, informou hoje o município.

Jovem de 17 anos fica em prisão preventiva por cometer vários crimes em Chaves

Uma jovem de 17 anos ficou sujeita à medida de coação de prisão preventiva, sendo colocada em centro educativo em regime fechado, depois de detida pela PSP de Chaves por roubo, perseguição e ofensas à integridade física qualificada.