António Costa diz que nunca seria candidato ao Conselho Europeu sem apoio do Governo

António Costa diz que nunca seria candidato ao Conselho Europeu sem apoio do Governo
| Política
Porto Canal / Agências

O ex-primeiro ministro António Costa admitiu no domingo que seria “importante ter um português nas instituições internacionais”, mas ressalvou que nunca aceitaria ser presidente do Conselho Europeu sem o apoio do Governo português.

“Nunca aceitaria ser presidente do Conselho Europeu sem o apoio do Governo meu país. Poderia ser, mas nunca aceitaria”, afirmou O ex-governante, em declarações à CMTV, onde comentou os resultados das eleições de domingo para o Parlamento Europeu.

António Costa reagia desta forma ao apoio manifestado pelo primeiro-ministro, Luís Montenegro, a uma eventual candidatura à presidência do Conselho Europeu.

No rescaldo da noite eleitoral, o líder do PSD e primeiro-ministro, Luís Montenegro, anunciou o apoio da AD e do Governo ao seu antecessor, António Costa, para o cargo de presidente do Conselho Europeu se este decidir ser candidato.

“É possível que a presidência do Conselho Europeu seja destinada a um candidato socialista. Se o dr. António Costa for candidato a esse lugar, a AD e o Governo de Portugal não só apoiarão como farão tudo para que essa candidatura possa ter sucesso”, afirmou Luís Montenegro.

Em reação a estas declarações, António Costa começou por dizer que “é importante para Portugal que portugueses desempenhem funções nas instituições internacionais” e recordou que, há 20 anos, também ele apoiou a eleição do social-democrata Durão Barroso para presidente da Comissão Europeia, assim como outros políticos.

“Foi com muito orgulho nos anos que fui primeiro-ministro contribui para que um português seja secretário-geral das Nações Unidas [António Gutuerres], um presidente do Eurogrupo [Mário Centeno], um diretor-geral para as Imigrações [António Vitorino]. Se houver essa oportunidade será bom para o país”, apontou.

António Costa confirmou também que já tinha falado Luís Montenegro sobre uma eventual candidatura e que, por isso, já conhecia a sua posição de apoio.

“Ainda não era primeiro-ministro e tinha-me transmitido que daria esse apoio. Eu, aliás, pus-lhe a questão”, indicou o ex-governante, ressalvando que caberá aos socialistas europeus decidir quem será o candidato.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".

Austeridade: programa de rescisões poderá conter medida inconstitucional - jurista

Redação, 06 mai (Lusa) - O especialista em direito laboral Tiago Cortes disse hoje à Lusa que a constitucionalidade da medida que prevê a proibição do trabalhador do Estado que rescinde por mútuo acordo voltar a trabalhar na função Pública poderá estar em causa.