Misericórdia de Vagos ensina a memorizar e a envelhecer após diagnóstico de demência

Misericórdia de Vagos ensina a memorizar e a envelhecer após diagnóstico de demência
| Norte
Porto Canal / Agências

Uma equipa multidisciplinar da Santa Casa da Misericórdia de Vagos tem em marcha um projeto que ajuda mais de três dezenas de utentes a memorizar e a criar técnicas que facilitam o envelhecimento saudável, após diagnóstico de demência.

Maria Augusta é uma destas utentes do Projeto Memorizar e tinha cerca de 64 anos quando percebeu que estava a perder habilidades que interferiam com o seu dia-a-dia.

A memória desta empregada de limpeza do concelho de Vagos “já não era a mesma”, esquecia-se daquilo que estava habituada a fazer com mestria e acabou por recorrer a um neurologista.

O diagnóstico clínico de demência vascular chegou mais tarde, sem grande surpresa, até porque reconheceu alguns sintomas de que padeceu a sua mãe, 40 anos antes.

“Pensei: o que vai ser de mim? Lembrava-me de como foi difícil com a minha mãe, ainda ninguém sabia o que era a demência ou Alzheimer. Depois de entrar para o programa, já não tenho essa pressão e tento viver um dia de cada vez”, contou à agência Lusa.

Maria Augusta entrou para o Programa Memorizar há cerca de seis anos e é uma equipa multidisciplinar que a ajuda, uma vez por semana, a promover a manutenção das funções cognitivas e motoras.

É em sua casa que uma psicóloga e uma terapeuta ocupacional lhe ensinam algumas habilidades para colmatar as que foi perdendo e que a faziam esquecer-se do tacho ao fogão, quando ia até ao quintal.

Agora, sabe que tem de tomar os medicamentos quando o alerta do telemóvel toca e quando vai ao quintal escreve numa folha de papel o que vai buscar.

Este projeto de proximidade leva ainda a sua casa, pelo menos duas vezes por ano, um neurologista e uma assistente social, sempre que se justifique.

Para além de potenciar a autonomia e independência no desempenho das atividades de vida diária da pessoa com demência, este projeto contribui também para o bem-estar dos cuidadores informais, com sessões de três em três meses, que visam diminuir a sobrecarga associada ao ato de cuidar.

Aos 49 anos, Vitória é cuidadora da sua mãe e diariamente dá por si a olhar para ela e a analisar tudo o que faz.

“Todos os dias é uma aventura, é uma flutuação. Obviamente que quero que continue a fazer tarefas, mas é necessário estar por perto com alguma supervisão”, referiu.

Desde que a sua mãe entrou para o projeto da Santa Casa da Misericórdia de Vagos notou imensas melhorias no humor, mas também na execução de tarefas do dia-a-dia.

“Fica mais ativa no dia em que as técnicas vêm a casa e no dia seguinte: nota-se o entusiasmo. Mas a nossa preocupação é diária e preocupa-me muito o futuro”.

Filipa Domingues é a psicóloga deste projeto, financiado em 40% pela Câmara de Vagos e com comparticipação simbólica por parte dos beneficiários.

“A grande vantagem deste projeto está em ir a casa das pessoas, em ir a um espaço que a pessoa portadora de demência conhece bem e onde aceita melhor o tratamento”, apontou.

Segundo a psicóloga, alterações da personalidade e comportamento, agitação e agressividade, fazem parte da evolução desta doença, que traz muito sofrimento.

“Sofre quem percebe que está a perder qualidades e os que estão à sua volta. Às vezes, percebem que já não é o seu pai ou mãe que está ali, apenas o seu corpo e é um luto doloroso que se faz por uma pessoa em vida”, concretizou.

Já a coordenadora do projeto, Sónia Ribeiro, alertou para o facto de esta poder vir a ser a doença do século.

“As pessoas não estão suficientemente alerta para esta realidade. Em Portugal temos, no máximo, meia dúzia de projetos idênticos a este, mas o ideal é que houvesse em todos os concelhos do país”, defendeu.

De acordo com a assistente social, este projeto permite que pessoas com demência possam ficar mais tempo nas suas casas sem serem institucionalizadas e não recorram com tanta frequência ao Serviço Nacional de Saúde.

“Em Portugal temos um ministério para a juventude e, sendo um país tão envelhecido, porque não foi criado um ministério para a terceira idade?”, concluiu.

+ notícias: Norte

Tempo vai mudar. Descida de temperatura e chuva de regresso

“Instabilidade meteorológica”. É assim que o Meteored, uma das maiores plataformas de informação meteorológica a nível mundial, define os próximos dias na região Norte, com episódios de chuva e variações de temperatura que vão marcar o arranque da época balnear.

Duas irmãs detidas por suspeitas de introduzirem droga na cadeia de Braga

A Polícia Judiciária (PJ) deteve duas irmãs suspeitas de introduzirem droga no Estabelecimento Prisional de Braga (EPB), durante as visitas aos seus companheiros, anunciou hoje aquela força.

Urgência de pediatria do hospital de Chaves fechada este fim-de-semana

O Ministério da Saúde publicou esta sexta-feira no portal do Serviço Nacional de Saúde o mapa das escalas de urgências até à próxima quinta-feira, que prevê o fecho de vários serviços em Lisboa e Vale do Tejo, Centro e Norte.