Presidente da TAP chamado à AR para explicar prejuízos trimestrais

Presidente da TAP chamado à AR para explicar prejuízos trimestrais
| País
Porto Canal / Agências

O presidente da TAP, Luís Rodrigues, vai ser chamado ao parlamento para prestar esclarecimentos sobre os prejuízos do primeiro trimestre, no seguimento da aprovação por unanimidade de requerimentos apresentados pelos grupos parlamentares do Chega e do PSD.

Os deputados da comissão parlamentar de Economia, Obras Públicas e Habitação aprovaram hoje por unanimidade o requerimento do grupo parlamentar do Chega para audições do presidente do Conselho de Administração e presidente executivo da TAP, Luís Rodrigues, e do administrador financeiro, Gonçalo Pires, “sobre os prejuízos registados no quarto trimestre de 2023 e no primeiro trimestre de 2024”.

Foi também aprovado com o acordo de todos os grupos parlamentares o requerimento do PSD para “audição para acompanhamento da situação económica e financeira da TAP”.

A TAP comunicou prejuízos de 71,9 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, um agravamento face ao resultado líquido negativo de 57,4 milhões registados no mesmo período do ano passado.

Em 2023, a companhia aérea registou um lucro ‘recorde’ de 177,3 milhões de euros, com um prejuízo de 26,2 milhões no último trimestre daquele ano.

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.