Empresa metalomecânica em Paredes investe 19 milhões para exportar 75% da sua produção

Empresa metalomecânica em Paredes investe 19 milhões para exportar 75% da sua produção
Inovocorte
| Norte
Porto Canal / Agências

A empresa de metalomecânica Inovocorte, em Paredes, no distrito do Porto, anunciou esta terça-feira um investimento de 19 milhões de euros em tecnologias de ponta, nomeadamente robotização e 'software', para exportar 75% da sua produção em 2030.

Desde 2022, já foram investidos 15,2 milhões de euros e o restante ocorrerá até final de 2025, contou à agência Lusa o diretor-geral, Pedro Costa.

A área de produção, na localidade de Lordelo, Paredes, foi ampliada, com novos pavilhões, e introduzidas novas soluções tecnológicas da indústria 4.0, nomeadamente 'software' e processos robotizados nas áreas da soldadura, acabamentos e linha de pintura automatizada.

“A nossa competência vai desde a transformação inicial do componente metálico, da chapa, até à assemblagem e testes de fiabilidade do produto na fase final”, precisou.

O capital da empresa é detido a 100% pela família fundadora, desde 1974 (completa este ano 50 anos de atividade), quando foi criada, com os seus atuais responsáveis representando a terceira geração.

O crescimento do volume de negócios tem sido acima dos 20% nos últimos quatro anos, anotou, indicando que em 2023 a faturação atingiu os 11 milhões de euros e em 2023 deverá alcançar os 14 milhões.

Atualmente com 125 funcionários - há quatro anos eram 75 - a empresa tem reforçado a contratação de mão-de-obra qualificada para potenciar os equipamentos entretanto adquiridos.

“Temos cerca de 17 a 20% de quadros técnicos altamente qualificados na nossa estrutura, nas áreas da engenharia, para ter no mercado uma proposta de valor diferenciada e capacitada para os desafios”, destacou.

Atualmente, os principais clientes ainda estão em Portugal. Contudo, há cerca de ano meio, a empresa avançou para um plano de internacionalização, apontando a 2030. Nessa altura, segundo a previsão dos seus responsáveis, o mercado europeu representará mais de 75% da produção, nomeadamente para Franca, Alemanha, Suíça e países escandinavos.

Pedro Costa explicou que a Inovocorte trabalha num vetor de subcontrato, ou seja, sem produto próprio, transformando ideias em produto.

“Nós temos a experiência e o ‘know-how’ na área industrial. Trabalhamos muito com empresas ‘start-up’, na área do 'software', que precisam de corporizar o produto deles, incorporando hardware. A nossa proposta é fazer o codesenvolvimento do hardware do produto, em conjunto com eles”, explicou.

A Inovocorte integra o grupo “Synere”, formado por três empresas, detido pela mesma família, e espera alcançar em 2030 entre 40 a 50 milhões de euros de volume de negócios.

+ notícias: Norte

CCDR-N confiante na conclusão do projeto de alta velocidade Lisboa-Porto-Vigo

O presidente da Comissão de Coordenação Regional e Desenvolvimento (CCDR) do Norte, António Cunha, revelou esta quinta-feira à Lusa estar confiante e moderadamente otimista sobre a conclusão do projeto de ligação ferroviária de alta velocidade Lisboa-Porto-Vigo em 2032.

Colisão entre ligeiro de mercadorias e motociclo condiciona trânsito na A44 em Gaia

Uma colisão entre um veículo ligeiro de mercadorias e um motociclo está a obstruir parcialmente o trânsito no sentido Sul-Norte da A44, em Gaia, avança ao Porto Canal fonte do Comando Sub-Regional de Emergência e Proteção Civil da Área Metropolitana do Porto.

Inspeção-Geral de Saúde abre inquérito à morte de doente com pulseira verde nas urgências de Viana

A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) anunciou esta sexta-feira ter instaurado um processo de inspeção às circunstâncias em que ocorreu a morte de um utente triado com pulseira verde no Hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo.