Arouca abre concurso para apoiar comércio local na transição digital

Arouca abre concurso para apoiar comércio local na transição digital
Foto: CM Arouca
| Norte
Porto Canal/Agências

O Município de Arouca tem mais de um milhão de euros para apoiar o comércio do centro da vila na transição digital, revelou esta terça-feira a autarquia, referindo que 184 estabelecimentos beneficiarão das estruturas previstas nessa medida.

Em causa estão verbas disponíveis ao abrigo do programa “Bairros Comerciais Digitais”, ao qual o município do distrito de Aveiro e da Área Metropolitana do Porto concorreu em consórcio com a AECA – Associação Empresarial de Cambra e Arouca, a ADRIMAG - Associação de Desenvolvimento Rural das Serras de Montemuro, Arada e Gralheira e a AGA – Associação Geoparque de Arouca.

O concurso público internacional a decorrer para o efeito termina a 10 de maio e abrange dois lotes de intervenções, um no valor de aproximadamente 689.600 euros, para criação de uma plataforma eletrónica coletiva de informação e uma ‘app’ telefónica, e outro na ordem dos 285.600 euros, para montagem de postes de iluminação inteligente autossustentável, com abastecimento elétrico híbrido por via eólica e/ou solar, e instalação de rede de Internet sem fios para comerciantes, residentes e visitantes.

A esses montantes acresce cerca de 73.500 euros para a contratação de um gestor do bairro e perto de 9.000 para despesas com a ADRIMAG e a AGA relativas a formação de comerciantes e adaptação de ‘sites’, pelo que o projeto perfaz 1.057.799,77 euros.

Se o procedimento concursal decorrer sem imprevistos, o projeto deverá começar a ser executado no final de julho e a expectativa da presidente da Câmara Municipal é que possa desenvolver a atividade de lojas, empresas e outras entidades situadas nos 41 hectares da zona de intervenção, melhorando também a experiência de clientes e visitantes.

“O nosso programa ‘Arouca + Digital’ assenta num conjunto alargado de infraestruturas e serviços digitais de apoio às empresas aderentes, numa ótica de promover a transição digital e de, simultaneamente, valorizar a relação entre as vantagens da proximidade física e os benefícios associados ao mundo virtual”, declarou Margarida Belém à Lusa.

Nas principais ruas de Arouca, a entidade líder do consórcio vai assim tratar da implementação de estruturas como uma rede de ‘smart parking’, com sensores que permitem informação visual sobre o número de lugares de estacionamento disponíveis em cada artéria do centro da vila, e duas estações de ‘Bikesharing’, cada uma das quais com 10 bicicletas em sistema de partilha.

Tendo 30 de setembro de 2025 como prazo de conclusão, o “Arouca + Digital” prevê igualmente a instalação de 300 cacifos urbanos com códigos digitais, quatro ‘mupis’ para exibição em duas frentes de publicidade e informação, dois painéis informativos acionados por tecnologia LED e um sistema de contagem de fluxos de pessoas que indique, por exemplo, qual o número de visitantes por hora num determinado local ou o seu tempo médio de permanência.

“Com este projeto, damos continuidade ao trabalho que temos vindo a desenvolver de apoio ao comércio local nestes últimos anos e, de modo muito particular, nos anos da pandemia”, afirmou Margarida Belém, realçando que o município foi um dos 65 do país que viram aprovada a sua candidatura à rubrica concreta dos “Bairros Comerciais Digitais”, no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência.

A autarca socialista defende que “o comércio local e os serviços, pela sua lógica de proximidade, são um garante da coesão do tecido social e também importantes entidades empregadoras, que fazem a diferença na vida de muitas famílias arouquenses”, e, nesse sentido, acredita que o “Arouca + Digital” trará à vila uma evolução significativa.

“Marcará uma nova etapa na vida do comércio local e reforçará inequivocamente a respetiva competitividade do território”, concluiu a presidente de câmara.

+ notícias: Norte

Demolição da fachada do antigo Cinema de Ermesinde gera contestação da população

Por questões de segurança, a Câmara de Valongo avançou com a demolição da fachada do antigo Cinema de Ermesinde. A obra, contestada pela população, avançou devido aos problemas estruturais graves na fachada do edifício, que implicava riscos de segurança. No lugar daquele edifício vai nascer a Oficina Municipal das Artes e fonte da autarquia garantiu ao Porto Canal que a fachada histórica do edificado vai ser preservada.

Urgência de Santo Tirso esteve encerrada de noite porque médico de serviço faltou

A urgência básica do hospital de Santo Tirso não funcionou entre as 0h00 e as 8h00 desta terça-feira, porque o médico que deveria estar de serviço faltou, disse fonte da Unidade Local de Saúde do Médio Ave.

Despiste seguido de capotamento faz dois feridos na A7 na Póvoa de Varzim

Duas pessoas sofreram ferimentos, ao início da tarde desta terça-feira, na sequência de um despiste seguido de capotamento na autoestrada A7 na freguesia de Balazar, no concelho da Póvoa de Varzim, apurou o Porto Canal.