Guimarães Space Hub. Obras para requalificar antiga fábrica vão custar entre 10 a 12 milhões de euros

Guimarães Space Hub. Obras para requalificar antiga fábrica vão custar entre 10 a 12 milhões de euros
Foto: CM Guimarães
| Norte
Porto Canal/Agências

A requalificação da antiga fábrica têxtil do Arquinho para receber o ‘Guimarães Space Hub’, um centro tecnológico aeroespacial, vai custar entra 10 a 12 milhões de euros, adiantou esta terça-feira o presidente da câmara municipal.

“Espero que [a obra] seja financiada ainda pelo PRR [Plano de Recuperação e Resiliência] ou, se não for pelo PRR, que seja pelo [Programa] Portugal 2030. Ainda não está fechado, mas está o compromisso assumido: é para lançar a obra a concurso e fazermos. Temos o compromisso com a Universidade do Minho, com a escola de engenharia aeroespacial e com o CEiiA, que vai lá ter uma sala de trabalho”, afirmou Domingos Bragança (PS), aos jornalistas.

O autarca falava à margem da apresentação do ‘Guimarães Space Hub’ e da assinatura de protocolos, um deles com o CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, sediado em Matosinhos, “para o desenvolvimento do projeto do Centro de Operações do Atlântico, que controlará um conjunto de 16 satélites para a monitorização do Atlântico e das florestas, que será construído pelo consórcio liderado pela empresa portuguesa GeoSat, até ao final de 2025”.

Domingos Bragança deu conta de que “o projeto está concluído, está a ser validado pelas diversas entidades”, esperando “lançar o concurso de obra ainda este mês”, que considera ser muito relevante para afirmar a cidade neste setor.

“É muito importante para a afirmação de Guimarães no aeroespacial, não só na ciência, mas também na indústria e nos serviços do aeroespacial. Este ‘Guimarães Space Hub’ é exatamente para construirmos esse caminho bem alicerçado para trazermos para Guimarães empresas que operam mundialmente através do CEiiA, da Universidade do Minho. Guimarães é a plataforma colaborativa com outros territórios em que o CEIIA e as universidades estão a trabalhar, nomeadamente com o IMT e outras universidades e empresas”, explicou o autarca.

Domingos Bragança acredita que o futuro centro tecnológico do setor da indústria aeroespacial vai potenciar a criar oportunidades de trabalho a “jovens muito qualificados”, deixando um repto aos empresários e aos cientistas investigadores.

“Desafio a todos, àqueles que têm talento, para aproveitarem as oportunidades e criarem as suas empresas, neste conjunto excecional em plataforma colaborativa que nos dá a indústria aeroespacial”, vincou o presidente da câmara.

Domingos Bragança espera que futuramente possa ser desenvolvido e construído um satélite “made in Guimarães”.

José Rui Felizardo, presidente do CEiiA, mostrou-se orgulhoso por assinar estes protocolos com a Universidade do Minho (UMinho) e com a câmara, garantindo que os mesmos não vão ser “um conjunto de vazio”, e que “haverá um grande empenhamento do CEiiA”, em especial, com os alunos de engenharia aeroespacial da UMinho, que praticamente lotaram o auditório do Teatro Jordão.

O reitor da UMinho, Rui Vieira de Castro, deixou a mesma garantia, manifestando a convicção de que estes protocolos tenham “efetiva concretização”.

Segundo este município do distrito de Braga, os protocolos esta terça-feira assinados entre as três entidades reforçam a aposta nesta área.

“O município de Guimarães, a Universidade do Minho, através da Escola de Engenharia, e o CEiiA reforçam uma importante colaboração que tem como objetivo a concretização desta estratégia, através da criação das melhores condições que permitam a fixação de recursos altamente qualificados, com vista à colocação do conhecimento científico e da tecnologia ao serviço da indústria, da sociedade e da qualidade de vida das pessoas”, sublinha a autarquia.

Ainda de acordo com a autarquia, o ‘Guimarães Space Hub’ “beneficiará do papel ativo e determinante da Escola de Engenharia da UMinho, nomeadamente da Engenharia Aeroespacial, e da elevada competência científica e tecnológica do CEiiA, no desenvolvimento de novos produtos e serviços nos setores da Aeronáutica e Espaço, assim como no estabelecimento de parcerias internacionais de referência no setor”.

+ notícias: Norte

“Fui ao mar buscar água para lavar a louça”. 14 pessoas vivem sem água e luz no parque de campismo de Cortegaça

Sem acesso a água potável e eletricidade. É assim que 14 pessoas ainda vivem no parque de campismo de Cortegaça, no concelho de Ovar. Dívidas contraídas pela anterior gestão da infraestrutura estão na origem de um problema cuja solução, mais de meio ano depois, poderá chegar já no final do mês de abril.

Homem desaparecido há mais de um mês encontrado morto em habitação devoluta em Braga

Um cadáver foi encontrado, na tarde desta quinta-feira, no interior de uma habitação devoluta na Rua Cidade do Porto, em Braga. 

Vítima encarcerada após despiste na A28

O despiste de um veículo ligeiro, na A28, na saída de Outeiro, em Viana do Castelo, deixou na tarde desta quinta-feira, uma mulher de 45 anos encarcerada.