Estratégia Local de Habitação do Porto aprovada em Assembleia Municipal

Estratégia Local de Habitação do Porto aprovada em Assembleia Municipal
Foto: Pedro Benjamim | Porto Canal
| Porto
Porto Canal / Agências

A Assembleia Municipal do Porto aprovou, por maioria e com críticas do BE e CDU, uma alteração à Estratégia Local de Habitação que visa, entre outras questões, ajustar as soluções habitacionais para abranger todos os agregados.

A proposta, em discussão na sessão que decorreu na quinta-feira à noite, defende a necessidade de se ajustar as soluções habitacionais previstas na estratégia por forma a abranger todos os agregados elegíveis.

Simultaneamente, são propostos ajustes relativamente ao número de soluções habitacionais inicialmente planeadas por entidades externas.

Segundo o município, a Santa Casa da Misericórdia pretende promover 50 fogos, alterando para cinco milhões o investimento previsto. Já o Instituto Social das Forças Armadas solicitou a integração como beneficiário da estratégia para promover a criação de 60 habitações, num investimento previsto de 4,2 milhões de euros.

Pelo BE, a deputada Elisabete Carvalho considerou a alteração “uma oportunidade perdida”, defendo ser “urgente uma revisão” do documento por forma a refletir “dados mais atuais”.

“Esta é uma alteração cirúrgica dos projetos, que acrescentam apenas 70 fogos ao diagnóstico de 2019”, afirmou, reforçando que a estratégia “está aquém das necessidades” e questionando o município sobre a data prevista para a conclusão da Carta Municipal de Habitação.

Também o deputado Rui Sá, da CDU, criticou “o atraso” na concretização da estratégia criada em 2019, alertando que as famílias que à época aguardavam por uma solução “continuam a viver na mesma situação ou pior”.

Em resposta aos deputados, o presidente da câmara, Rui Moreira, afirmou que o problema “não se resolve com cartas, mas construindo habitação”, acusando o BE de “quer que não se faça para conseguir votos”.

“Tenho esperança que o próximo Governo olhe para a habitação com menos cartas”, referiu Rui Moreira, adiantando que, apesar de “um conjunto de constrangimentos”, o município tenciona criar 1.610 novos fogos na cidade.

O autarca independente admitiu, no entanto, estar preocupado com a “pressão” ao nível da habitação nos grandes centros urbanos que, defendeu, só se resolve com “uma alteração profunda da forma como o Estado se organiza no território”.

“Temos pela frente uma tarefa dantesca que não se resolve com cartas de habitação”, referiu.

Também o deputado Nuno Caiano, do movimento independente “Rui Moreira: Aqui Há Porto”, criticou as considerações do BE, defendendo que a alteração proposta “é uma medida cirúrgica de alta precisão”.

Já a social-democrata Sílvia Soares congratulou a alteração, defendendo que a mesma reflete “vontade e reconhecimento de adaptar a estratégia às novas necessidades", bem como as parcerias estabelecidas que “permitem ampliar o alcance das respostas” no Porto.

À semelhança do PSD, também a socialista Fernanda Rodrigues destacou a “importância de chamar para a estratégia local de habitação outros agentes” e apelou para a necessidade de se alargar a atuação, por exemplo, à população com deficiência ou incapacidade.

Pelo PAN, o deputado único Paulo Vieira de Castro considerou a pretensão “justa”.

A Estratégia Local de Habitação do Porto foi aprovada em 2019, tendo em novembro de 2020 sido celebrado um acordo entre o município e o Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU), no valor de 56,2 milhões de euros, para promover soluções habitacionais para 1.740 agregados.

Em abril de 2022, a empresa municipal Porto Vivo, SRU celebrou com o IHRU um acordo programático de 33,9 milhões de euros para promover soluções habitacionais para 185 agregados.

A par desta proposta, foi também aprovada por maioria uma alteração ao programa de apoio à renda Porto com Sentido.

+ notícias: Porto

Hospital São João implementa nova forma de monitorizar doentes cirúrgicos graves

O Hospital de São João, no Porto, implementou um protocolo de telemonitorização de doentes cirúrgicos graves que inclui a vigilância através de um aparelho sem fios e com sensores que gera alertas quando a situação clínica agrava.

Tráfico de droga no Porto. PSP detém 18 pessoas em vários bairros da cidade

A PSP está a realizar várias ações de combate ao tráfico de estupefacientes na cidade do Porto na manhã desta segunda-feira, avança o Correio da Manhã, uma informação que foi confirmada pelo Porto Canal. Até ao momento já foram detidas 18 pessoas.

Demolição de estrutura na Praia do Ourigo, no Porto, vai mesmo avançar

A ministra do Ambiente e Energia, Maria da Graça Carvalho, confirmou que, "muito em breve", a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) decidirá uma data para a demolição da estrutura de betão da praia do Ourigo, no Porto. "É um assunto que o senhor presidente da APA está a par e a acompanhar, e, muito em breve, será dada uma data e uma solução, que é a demolição [da estrutura]", adiantou a governante aos jornalistas, à margem de uma visita a Terras de Bouro, no distrito de Braga, acrescentando que esse assunto é da "responsabilidade da APA" e não do ministério.