Arguido acusa primo de matar empresário e de ferir gerente de bar em Famalicão

Arguido acusa primo de matar empresário e de ferir gerente de bar em Famalicão
| Norte
Porto Canal / Agências

Um arguido disse esta quarta-feira no Tribunal de Guimarães que foi um primo, também arguido, que matou à facada um empresário e feriu o gerente de um bar em Famalicão, distrito de Braga, em 12 de fevereiro de 2023.

No arranque do julgamento, que teve reforço policial e que ficou marcado por desacatos e agressões verbais entre familiares dos arguidos, obrigando à intervenção da PSP, este arguido, de 18 anos, acusou o primo, de 19, de ser o autor das duas facadas que causaram a morte do empresário José Ferreira, de 32 anos, e do golpe com uma navalha que feriu com gravidade o gerente do bar onde se encontravam nessa noite.

O despacho de pronúncia, proferido por um juiz de instrução, indica que o arguido que afirmou ser inocente está acusado do homicídio do empresário, e o que optou pelo silêncio responde por homicídio tentado, por atingir o gerente do bar, por detenção de arma proibida e por ofensas à integridade física.

Segundo o Ministério Público (MP), na noite de 12 de fevereiro de 2023, o grupo dos arguidos, que estavam acompanhados das namoradas, uma com 14 anos, envolveu-se numa discussão com outro grupo no interior do bar, o que levou à intervenção de um segurança.

Nessa sequência, os arguidos, que se encontram em prisão preventiva, foram obrigados a sair do bar e o segurança avisou que os mesmos não tinham pagado oito euros pelo consumo das bebidas.

O MP sustenta que “imbuídos de desejos de vingança, os arguidos acordaram fugir do local de qualquer forma usando se necessário de força física e de armas brancas”.

Foi durante a fuga apeada que as agressões às duas vítimas aconteceram: o gerente do bar foi atrás dos arguidos e foi atingido com uma facada nas costas e, logo depois, o empresário, que se encontrava no bar, também perseguiu os arguidos, tendo sido atingido com duas facadas no peito, que lhe causaram a morte.

E é quanto à autoria das agressões que há versões diferentes e contraditórias.

“Infelizmente é meu primo. Digo infelizmente pelo que me está a fazer neste processo. Ele é que cometeu os crimes e eu é que estou a pagar”, respondeu o arguido à presidente do coletivo de juízes, quando questionado se o arguido ao seu lado era seu primo.

Segundo a versão apresentada esta quarta-feira, este arguido disse que viu o primo “a fazer o gesto e a golpear” o gerente do bar nas costas e, posteriormente, disse ter visto também o primo a “dar dois golpes com a mesma navalha no falecido”, sublinhando que “não tinha qualquer tipo de arma” consigo.

Após as agressões, acrescentou, ele, a sua namorada e o primo abandonaram o local de carro e dirigiram-se para a casa de um irmão, deixando a outra menor, de 14 anos, no bar.

“Vi-o [ao primo] a atirar a faca para um monte perto da casa do meu irmão”, afirmou perante o tribunal.

A arma branca viria a ser recuperada cerca de “quatro meses” depois de estar preso preventivamente, referiu.

Confrontado com o facto de no primeiro interrogatório judicial não ter apresentado esta versão, dizendo que não tinha visto nada, o arguido explicou que, naquela fase, “não queria incriminar o primo”.

“Era meu primo. Não o queria incriminar. Pensei que ele fosse assumir”, justificou este arguido.

No início da sessão, o advogado Aníbal Pinto, que defende o arguido que optou por ficar esta quarta-feira em silêncio, assumiu que o seu cliente “agiu em legítima defesa” quando foi abordado e “agredido” pelo gerente do bar.

João Peres, advogado que defende o outro arguido, referiu que o seu cliente está inocente e injustamente preso, considerando que a justiça “bateu no fundo” ao manter o seu constituinte privado da liberdade.

+ notícias: Norte

Incêndios. Autarca de Terras de Bouro pede regresso de helicóptero a Braga

O presidente da Câmara de Terras de Bouro, Manuel Tibo, pediu este sábado o regresso de um helicóptero ligeiro de combate a incêndios a Braga, retirado há um ano, lembrando a "perigosidade máxima" do Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG).

Há 400 presépios para ver em Barcelos

Em Barcelos desde o início deste mês que estão em exposição em vários espaços mais de 400 presépios de artesãos do concelho. Uma óptima oportunidade para conhecer mais e melhor do artesanato barcelense.

Pena de 25 anos de prisão para seis envolvidos na morte de empresário de Braga

O Tribunal de São João Novo, no Porto, aplicou esta quarta-feira 25 anos de prisão, a pena máxima, a seis envolvidos em 2016 no sequestro e homicídio de um empresário de Braga, cujo corpo acabou dissolvido em ácido sulfúrico.