Polícias adiam encontro nacional para depois das eleições

| País
Hugo André Costa | Porto Canal

Inicialmente marcado para 2 de março, o encontro nacional de polícias vai acontecer só depois das eleições legislativas. A plataforma sindical das forças de segurança quer respeitar os tempos da democracia, mas garante que tal não significa interromper a luta. Ao Porto Canal, o porta-voz da plataforma, Bruno Pereira, diz ser “razoável” deixar que aconteçam as eleições de 10 de março, antes de avançarem para um protesto à escala nacional.

Esta quarta-feira, a Inspeção-Geral da Administração Interna pediu à Polícia de Segurança Pública (PSP) e à Guarda Nacional Republicana (GNR) que esclareçam o protesto não-autorizado que ocorreu junto ao Capitólio, em Lisboa, no passado dia 19. Um apelo que a plataforma sindical considera “redundante” e “desnecessário”, uma vez que as investigações internas já se encontram em curso.

Há várias semanas que dura o braço de ferro entre as forças de segurança e o Ministério da Administração Interna. PSP e GNR exigem o mesmo subsídio de missão atribuído à Polícia Judiciária, aprovado pelo governo no passado dia 29 de novembro. Este subsídio tem retroativos a janeiro de 2023.

+ notícias: País

Vinte e quatro vítimas de abuso querem indemnização da Igreja Católica

O grupo Vita recebeu até ao momento 24 pedidos de indemnização financeira, por danos sofridos, de vítimas de abuso sexual no seio da Igreja Católica em Portugal, iniciando na terça-feira um roteiro pelas dioceses do país, foi este domingo anunciado.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.