Ativistas pró-Palestina partem vidros e pintam frase no edifício do Ministério dos Negócios Estrangeiros

Ativistas pró-Palestina partem vidros e pintam frase no edifício do Ministério dos Negócios Estrangeiros
| País
Porto Canal/Agências

Ativistas solidários com a resistência palestiniana partiram esta segunda-feira de madrugada diversos vidros do Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Lisboa, e pintaram a frase "Israel mata, Portugal apoia" no portão do edifício, confirmou a PSP.

Numa nota enviada à Lusa, um grupo de ativistas solidários com a resistência palestiniana e com o Coletivo pela Libertação da Palestina, o Climáximo e a Greve Climática Estudantil de Lisboa denunciou o que considera ser o "apoio do governo português e, particularmente, do Ministério dos Negócios Estrangeiros, a um projeto colonial que, há mais de 75 anos, tem por base a limpeza étnica do povo palestiniano".

"Nos últimos quatro meses, este apoio ficou ainda mais claro", considera o grupo, lembrando que, desde 7 de outubro de 2023 -- altura do ataque surpresa do movimento islamita Hamas contra o sul de Israel -, o ministro João Cravinho "foi rápido a mostrar a sua solidariedade para com o regime sionista".

"Por várias vezes, defendeu o direito de Israel 'se defender', o 'dever de solidariedade [de Portugal] para com Israel' e sublinhou 'a amizade entre Portugal e Israel'", sublinha.

Na nota, os elementos deste grupo dão conta da frase pintada no portão do edifício do MNE, assim como de terem partido vidros, uma informação confirmada pela PSP e pela GNR, que faz a guarda do edifício.

Em declarações à Lusa, fonte da GNR confirmou que pelas 3h00 os oficiais que estavam no interior do edifício perceberam que tinham partido vidros e pintado uma frase no portão, recordando que ninguém foi detido.

"Os oficiais estavam no interior e quando perceberam já estavam vidros partidos e a frase pintada", explicou a fonte, acrescentando que, agora, só recorrendo a imagens de videovigilância se poderá identificar os autores.

"Não era a primeira noite que tínhamos no local elementos do movimento a favor da Palestina", contou.

Na nota hoje divulgada, o grupo que reivindica a ação lembra que, mesmo quando, em janeiro, o Tribunal Penal Internacional aceitou pronunciar-se sobre a petição do governo da África do Sul em relação ao crime de apartheid cometido pelo regime sionista, "nunca o governo português se manifestou apoiando essa queixa".

"Pelo contrário, na mesma semana em que o processo se iniciou no tribunal de Haia, João Cravinho anunciou que o exército português participaria no ataque militar aos huthis, grupo iemenita que tem realizado várias ações de resistência em solidariedade com o povo palestiniano", acrescenta.

Os ativistas consideram ainda que, só no início de fevereiro, "quando já mais de 25 mil pessoas palestinianas tinham sido mortas na Faixa de Gaza e quase dois milhões tornadas refugiadas", João Cravinho criticou Israel, citando frases do governante, nessa altura, a considerar que a atitude de Israel não era apenas de autodefesa.

O Hamas lançou, em 7 de outubro de 2023, um ataque surpresa contra o sul de Israel, que causou a morte de mais de 1.160 pessoas, a maioria civis, segundo uma contagem da agência de notícias France Presse baseada em números oficiais israelitas.

Cerca de 250 pessoas foram raptadas e levadas para Gaza, de acordo com as autoridades israelitas. Destas, perto de cem foram libertadas no final de novembro, durante uma trégua em troca de prisioneiros palestinianos, e 132 reféns continuam detidos no território palestiniano.

Em resposta ao ataque, Israel declarou guerra ao Hamas, movimento que controla a Faixa de Gaza desde 2007 e que é classificado como terrorista pela União Europeia e Estados Unidos, e impôs um cerco total ao território, com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

Desde 7 de outubro, a ofensiva israelita fez quase 29 mil mortos e 68.400 feridos, na maioria civis.

+ notícias: País

MB Way "em baixo". Transferências e pagamentos com dificuldades

Ao longo da manhã desta terça-feira, os utilizadores de MB Way estão a sentir dificuldades em utilizar a aplicação para fazer transferências e/ou pagamentos. A informação está a ser avançada pelo Jornal de Notícias que, após ter contactado a Sociedade Interbancária de Serviços (SIBS), fala em alguns “constrangimentos técnicos”.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.