Duas mortes em noite trágica em Aveiro

Duas mortes em noite trágica em Aveiro
Foto: Notícias de Águeda
| Norte
Porto Canal

Só na noite desta quarta-feira morreram duas pessoas no distrito de Aveiro em acidentes rodoviários.

Um homem com cerca de 50 anos morreu na sequência de uma aparatosa colisão entre uma viatura ligeira e um veículo pesado de mercadorias no IC2 na freguesia de Serém, em Águeda, confirmou ao Porto Canal fonte dos Bombeiros Voluntários de Águeda.

Este sinistro provocou também dois feridos graves que foram encaminhados para os Hospitais da Universidade de Coimbra (CHUC). 

A violenta colisão levou ao corte daquela Estrada Nacional em ambos os sentidos, que só foi reaberta ao trânsito na madrugada desta quinta-feira. Neste momento, circula-se naquela via rodoviária sem constrangimentos. 

Na mesma noite e a poucos quilómetros de distância, um homem de 36 anos de idade morreu e duas crianças, de três e 11 anos, sofreram ferimentos ligeiros, na sequência de um despiste de um veículo ligeiro na Gafanha da Boa Hora, no concelho de Vagos, adiantou à Lusa fonte policial.

Segundo dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, entre 15 e 26 de dezembro existiram 4.852 acidentes, dos quais resultaram 17 mortos, mais quatro do que em igual período do ano passado, e mais de 1.400 feridos.

+ notícias: Norte

Túnel fechado há quase um ano em Braga reabre ao trânsito em julho

O túnel da Avenida da Liberdade, em Braga, vai reabrir em julho ao trânsito automóvel.

Póvoa Arena abriu portas ao público durante obras

A Póvoa Arena, na Póvoa de Varzim, abriu portas para ser conhecida por toda a população durante o fim de semana, na celebração do 50º. aniversário de elevação da Póvoa de Varzim a cidade. A arena ainda se encontra em obras e o projeto foi conhecido pela população.

Rede Elétrica Nacional defende "especial urgência" de linha de alta tensão no Alto Minho

A Rede Elétrica Nacional (REN) defendeu em tribunal a “especial urgência” da linha de Alta Tensão Ponte de Lima-Fontefria (Galiza), contestada por autarcas do Alto Minho, nomeadamente para uma “redução e convergência de preços” no mercado ibérico.