Bastonário dos médicos teme que vagas no SNS fiquem por preencher e pede mais condições 

Bastonário dos médicos teme que vagas no SNS fiquem por preencher e pede mais condições 
| País
Porto Canal/Agências

O bastonário da Ordem dos Médicos manifestou este domingo receio de que as 991 vagas abertas no Serviço Nacional de Saúde (SNS) para médicos recém-especialistas fiquem por preencher e exigiu ao Ministério da Saúde a criação de melhores condições.

Em declarações à Lusa, Carlos Cortes reconheceu que o anúncio feito no sábado pela Direção Executiva do SNS para a abertura de quase mil vagas para recrutamento (logo após a homologação da classificação do internato médico) é um dado “importante e positivo”, mas realçou que é preciso ir além da criação de vagas e dar respostas às necessidades do SNS e dos seus profissionais.

“Há que criar condições de trabalho adequadas, assim como de formação e de projetos de investigação para se poder desenvolver [o SNS]. O Ministério da Saúde não tem feito o seu trabalho nessa matéria e tem sido inconsequente em dar capacidade de atração ao SNS. Há um problema de organização de todo o SNS para atrair mais profissionais”, observou.

Segundo o bastonário, a Ordem dos Médicos “sempre entregou propostas para tornar o SNS mais atrativo”, pelo que lamentou o que considerou ser “uma desatenção perigosa” do Ministério da Saúde.

“É pena que assim tenha sido. Esta abertura alargada de vagas poderia ter um desfecho diferente… Temos esta oportunidade, mas a falta de intervenção do ministro da Saúde nesta matéria não tem permitido que os médicos olhem para estas vagas numa perspetiva de carreira. E tudo indica que não serão preenchidas”, disse.

Questionado sobre o peso que o recém-alcançado acordo intercalar entre o Ministério da Saúde e o Sindicato Independente dos Médicos para os aumentos salariais pode ter neste processo alargado de recrutamento, Carlos Cortes desvalorizou, ao alertar que as questões de remuneração são apenas um dos problemas para atrair e reter médicos no SNS.

“Não é só a remuneração dos médicos, tem a ver com as condições para manter os médicos nos seus quadros. É muito mais do que um simples acordo intercalar de remuneração. O SNS exige muito mais do que isso e acho até lamentável que este aumento dos médicos seja a solução para salvar o SNS. As dificuldades são muito mais extensas”, vincou, apelando a uma reforma moderna e que não assente nos princípios que nortearam as últimas décadas.

Apesar das críticas e dos alertas, o bastonário da Ordem dos Médicos elogiou a “celeridade do processo” para a abertura de vagas, ao lembrar que em anos anteriores o Ministério da Saúde demorava vários meses a abrir concursos” e que muitos jovens médicos acabaram por desistir e rumavam aos hospitais privados, prejudicando dessa forma o SNS.

“Havia uma mensagem incorreta, porque não demonstrava interesse nos jovens médicos. Agora, o interesse do SNS é diferente e isto é inédito”, indicou Carlos Cortes, enfatizando ainda a autonomia dada aos hospitais para este processo e a dimensão das vagas criadas.

A Direção Executiva do SNS autorizou este sábado a contratação de 991 médicos recém-especialistas para diferentes especialidades com apoio ao serviço de urgência e que concluíram o internato médico na época especial.

De acordo com as vagas fixadas na informação divulgada, a região do território continental a absorver mais profissionais é a de Lisboa e Vale do Tejo, com vagas para 384 médicos recém-especialistas, seguindo-se as regiões do Norte (282), Centro (196), Algarve (65) e Alentejo (64).

+ notícias: País

Vítor Matos sobre as duas estrelas Michelin: "Não é só um prémio, é uma responsabilidade"

A surpresa e a emoção de alcançar duas estrelas Michelin dominavam os sentimentos do chef Vítor Matos, do Antiqvvm (Porto), que não escondeu a sua desilusão por nenhum restaurante ter conseguido obter a terceira estrela.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.