Congresso PSD. Cavaco Silva aparece e recebe onda de aplausos

Congresso PSD. Cavaco Silva aparece e recebe onda de aplausos
| Política
Porto Canal / Agências

O ex-primeiro-ministro e ex-líder do PSD Aníbal Cavaco Silva marcou este sábado presença no 41.º Congresso do partido, entrando ao som do hino do PSD e surpreendendo os congressistas, que o receberam com uma ovação.

A presença de Cavaco Silva no congresso do PSD foi anunciada pelo presidente da mesa, Miguel Albuquerque, cerca das 19h50. O líder do partido, Luís Montenegro, e o secretário-geral, Hugo Soares, acompanharam o ex-primeiro-ministro da sua viatura até ao pavilhão onde decorre a reunião, em Almada.

Ladeado pelo presidente do partido, Cavaco Silva entrou no Congresso sem prestar declarações à comunicação social.

Na sala, os congressistas, que se viraram para trás para ver a chegada, aplaudiram de pé e gritaram “Portugal/Portugal” e “PSD/PSD”.

“O congresso dá as calorosas boas-vindas ao antigo presidente e ao grande estadista do século XX Cavaco Silva que muito nos honra com a sua presença. A sua ação política é sempre uma inspiração para o presente e para o futuro”, declarou Miguel Albuquerque.

Sorridente, Cavaco Silva sentou-se na primeira fila, ao lado da ex-ministra social-democrata Manuela Ferreira Leite.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".

Austeridade: programa de rescisões poderá conter medida inconstitucional - jurista

Redação, 06 mai (Lusa) - O especialista em direito laboral Tiago Cortes disse hoje à Lusa que a constitucionalidade da medida que prevê a proibição do trabalhador do Estado que rescinde por mútuo acordo voltar a trabalhar na função Pública poderá estar em causa.