Tecnologia desenvolvida no Porto permitiu recolha autónoma de amostras no Ártico

Tecnologia desenvolvida no Porto permitiu recolha autónoma de amostras no Ártico
| Porto
Porto Canal/Agências

Investigadores do Porto desenvolveram uma tecnologia que, acoplada a um robô, permitiu recolher “de forma totalmente autónoma” amostras de ADN ambiental em profundidade, baixas temperaturas e em diferentes pontos do Ártico, foi esta quinta-feira anunciado.

Em comunicado, o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), esclarece esta quinta-feira que a tecnologia, intitulada ‘biosampler’, foi testada no Ártico.

Depois de validarem a tecnologia, também desenvolvida pelo Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), os investigadores acoplaram-na a um robô criado pela equipa do INESC TEC.

A tecnologia “é um sensor” cilíndrico que permite recolher amostras de eDNA “de forma totalmente autónoma”.

O eDNA ou DNA ambiental é recolhido a partir de fragmentos que as espécies libertam durante o seu movimento, nomeadamente, células da pele, resíduos e outros fluidos corporais.

A operação decorreu a 15 metros de profundidade em águas com temperaturas baixas oriundas do degelo dos glaciares localizados nos fiordes do arquipélago ártico de Svalbard.

Quando comparada a outros sistemas de recolha de amostras, a tecnologia “tem várias vantagens”, afirma Alfredo Martins, do INESC TEC, nomeadamente, operar de forma autónoma, em profundidade e a baixas temperaturas da água.

“Foi também mais um desafio de engenharia”, acrescenta, citado no comunicado.

Também citada no comunicado, a investigadora Catarina Magalhães, do CIIMAR, salienta a importância da tecnologia na compreensão do impacto das alterações climáticas nas comunidades biológicas do Ártico.

“Esta tecnologia vai revolucionar a capacidade atual da monitorização biológica nos ecossistemas marinhos com particular relevância no oceano Ártico onde é urgente compreender o impacto das alterações climáticas”, refere.

Segundo o instituto, a tecnologia permite “programar as horas e datas de recolha”, a recolha de um maior número de amostras e a redução de contaminação das mesmas, uma vez que a filtragem é feita ‘in loco’, bem como trazer a amostra pronta para ser analisada em laboratório.

As amostras recolhidas durante a expedição estão, neste momento, a ser analisadas pelos investigadores do CIIMAR, que vão extrair e sequenciar o eDNA para avaliar a capacidade do sistema autónomo “na avaliação da biodiversidade de ambientes remotos”.

Os investigadores acreditam conseguir, nos próximos dois anos, fazer com que a tecnologia opere a 1.000 metros de profundidade.

Até lá, os trabalhos vão decorrer em ambientes externos, como no Ártico, sendo que continuará a ser necessária a intervenção humana caso a intenção seja recolher amostras a mais de 40 metros de profundidade.

“A expectativa é de que o biosampler, num curto espaço de tempo, suporte as condições quer de profundidade quer de temperatura necessárias para superarem estes desafios”, acrescenta o instituto.

+ notícias: Porto

Incêndio em colégio no Porto já está extinto

O incêndio que deflagrou ao início da tarde de deste domingo no Colégio Flori, no Porto, "já está extinto" e em fase de rescaldo e ventilação, adiantaram ao Porto Canal as autoridades.

Last Folio: as duras memórias do Holocausto 

O Museu e Igreja da Misericórdia do Porto acolhem a exposição internacional LAST FOLIO acompanhada por um documentário, que mostra as memórias do Holocausto. A exposição do fotógrafo Yuri Dojc e da cineasta Katya Krausova, pode ser visitada até novembro.

Nova Linha do Metro do Porto avança. Veja aqui as primeiras imagens 

As obras da nova Linha do Metro do Porto, Linha Rosa (G), que assegurará a ligação entre São Bento e a Rotunda da Boavista já avançaram. Esta extensão terá 3 km e 4 estações subterrâneas (duas adjacentes às já existentes São Bento e Casa da Música).