Ativistas do movimento Climáximo pintam fachada da sede da REN em Lisboa

Ativistas do movimento Climáximo pintam fachada da sede da REN em Lisboa
| País
Porto Canal / Agências

Ativistas pelo clima do movimento Climáximo pintaram, esta quinta-feira, de vermelho a fachada da sede da REN, em Lisboa, por considerarem que se trata de "uma das empresas que declarou guerra à sociedade e ao planeta".

“Esta manhã, ativistas do Climáximo voltaram à ação pelo terceiro dia, depois dos bloqueios da 2.ª circular e da rua de S. Bento. Desta vez, pintaram de vermelho a sede da REN, em Lisboa, que consideram ser ‘uma das empresas que declarou guerra à sociedade e ao planeta’”, avança o movimento em comunicado.

Citada no documento, uma das porta-vozes do Climáximo explica que o objetivo destas iniciativas é parar “o funcionamento normal da sociedade para dizer às pessoas que precisam de parar de consentir” e que é preciso “resistir contra o genocídio que é a crise climática”.

“Hoje fomos a um dos atores mais responsáveis por este genocídio, a REN, responsável pela infraestrutura de gás fóssil em Portugal, pelo projeto de expansão do terminal de GNL [gás natural liquefeito] em Sines e pela construção de novos gasodutos”, afirma Alice Gato.

Sustentando que “a REN está conscientemente a escolher manter e expandir a infraestrutura de gás fóssil em vez de parar estas armas de destruição em massa e implementar a transformação necessária em toda a rede elétrica”, a responsável considera que a empresa “está, assim, deliberadamente a garantir a morte de milhares de pessoas, todos os anos”.

“Este é um dos crimes de guerra mais horrendos da história da humanidade, e não o deixaremos passar em branco”, enfatiza a ativista.

Segundo Alice Gato, "a melhor forma de se comemorar o aniversário da implementação da República é retomar o direito à vida digna que está a ser roubado pelos governos e as empresas, travando a guerra que declararam à sociedade e ao planeta”.

“A História de Portugal mostra-nos que o poder popular é capaz de grandes mudanças. Hoje vivemos num momento decisivo que requer grandes mudanças, e cabe a nós, as pessoas comuns, fazer esta mudança em conjunto", remata.

No comunicado, o grupo Climáximo defende “um plano de desarmamento” que impeça a construção de "novas armas de destruição em massa" - como dizem ser o caso da expansão do terminal de GNL em Sines e o gasoduto de Celorico da Beira até Zamora - e a desativação das "atuais armas", sendo uma das medidas que defendem a substituição de gás fóssil em Portugal por 100% de eletricidade renovável e acessível até 2025.

O grupo promete continuar com este e outro tipo de ações, de forma a “garantir os direitos que os ditos defensores da República estão a roubar”.

+ notícias: País

Mais de 80% dos jovens diplomados têm emprego 3 anos após concluírem estudos

Cerca de 82% dos diplomados entre os 20 e 34 anos têm emprego três anos após concluírem o ensino secundário ou superior, segundo um relatório divulgado esta terça-feira que confirma as vantagens salariais associadas à maior formação académica.

Registados problemas em cartões da rede móvel da MEO

Alguns cartões de clientes da rede móvel da MEO estão a registar na manhã desta terça-feira alguns constrangimentos, disse à agência Lusa fonte da operadora de comunicações de voz do grupo Altice, sem adiantar mais pormenores.

Portugal lidera na Europa... no aumento do preço do azeite

O preço do azeite subiu em janeiro 69% em Portugal, registando o maior aumento homólogo do produto, que na média da União Europeia (UE) aumentou 50%, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Eurostat.