Marcelo Rebelo de Sousa defende que nunca alimentou “russofobia”

| Política
Porto Canal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que esteve esta noite na Universidade de Verão do PSD, afirma que nunca foi defensor da “russofobia”.

“Não se toca mais compositores russos, são se passa mais filmes russos (...) toda a cultura russa é emitida. Isso é uma coisa sem senso e quem pensa assim, quem reage assim, perde boa parte da sua razão quando defende a causa que quer defender. É uma forma estúpida de defender uma causa, que é realmente uma ofensa à inteligência e uma ofensa àquilo que deve ser a nossa visão do mundo”, afirmou Marcelo.

O Presidente da República, que fez uma visita de dois dias à Ucrânia, entre 23 e 24 de agosto, afirmou que, em tempos de guerra a razão e a emoção se misturam, aproveitando para olhar para a política atual. “A política hoje é muito mais emoção do que razão”, frisou.

À chegada, o Presidente da República repetiu aos jornalistas a informação já transmitida de que só “falará da Ucrânia”.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve pela décima vez à Universidade de Verão do PSD, na primeira participação presencial nesta iniciativa de formação política desde que foi eleito Presidente da República, em 2016.

+ notícias: Política

Após polémica, adjunta do ministro das Finanças recua e decide não assumir funções

Patrícia Dantas recua e não vai assumir funções de adjunta do ministro das Finanças, de acordo com nota enviada pelo gabinete do Ministro das Finanças.

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Governo e PS reúnem-se em breve sobre medidas de crescimento económico

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O porta-voz do PS afirmou hoje que haverá em breve uma reunião com o Governo sobre medidas para o crescimento, mas frisou desde já que os socialistas votarão contra o novo "imposto sobre os pensionistas".