Crimes violentos em Barcelos colocam três suspeitos em prisão preventiva

Crimes violentos em Barcelos colocam três suspeitos em prisão preventiva
| Norte
Porto Canal / Agências

O Tribunal de Guimarães aplicou esta quinta-feira prisão preventiva a três dos 10 detidos na terça-feira pela Polícia Judiciária (PJ) em Barcelos, suspeitos de crimes violentos contra pessoas, sobretudo visando outro grupo que considera rival.

Fonte da PJ disse à Lusa que os restantes sete arguidos ficam sujeitos a apresentações periódicas em posto policial, proibidos de contactos entre si e de frequentarem alguns locais.

Segundo a PJ, os detidos integram um grupo que “de forma recorrente, se vem dedicando” à prática de crimes violentos contra pessoas e de crimes contra bens patrimoniais alheios.

“Como forma de exponenciar o clima de medo e potenciar atos de violência, os elementos do grupo utilizavam as redes sociais e exibiam armas de fogo, veiculando imagem hostil e intimidatória perante terceiros, provocando grande perturbação e alarme social entre as populações locais”, refere um comunicado da PJ.

Na terça-feira, a PJ efetuou diversas buscas domiciliárias e não domiciliárias, “que permitiram a recolha e consolidação de substanciais elementos de prova e que resultaram na apreensão de substância estupefaciente, armas de fogo e outros objetos relacionados com a prática dos crimes”.

As buscas incidiram, sobretudo, num acampamento em Arcozelo, Barcelos.

A investigação foi desencadeada após um tiroteio num café em Barcelos, registada em 31 de janeiro.

Todos residentes em Barcelos, os detidos são suspeitos de crimes roubo com arma de fogo, detenção de armas proibidas, dano, dano agravado e com violência, furto, furto qualificado e ofensas à integridade física qualificada, factos reportados aos anos de 2022 e 2023, em Barcelos.

+ notícias: Norte

Avança demolição de habitações em risco na costa de Esposende com final à vista para dezembro

O projeto de execução para demolição das construções em risco em Cedovém, em Esposende, cuja conclusão esteve prevista para final de 2023, vai avançar, após aval do novo Governo, prevendo-se a sua conclusão até dezembro, foi esta quarta-feira revelado.

Estádio de Aveiro ainda não está pago e precisa de obras de 10 milhões de euros

Vinte anos depois de ter sido construído para o Euro2004, o Estádio Municipal de Aveiro ainda não está totalmente pago e já precisa de obras urgentes, que obrigam a um avultado investimento por parte da autarquia.

PS Braga critica gestão "à pai Adão" da empresa de águas e resíduos

O vereador do PS na Câmara de Braga Artur Feio criticou esta quinta-feira a gestão "à pai Adão" da empresa Agere, apontando o exemplo do serviço da varredura de ruas, que diz ser prestado sem qualquer acompanhamento ou fiscalização.