Primeira operação robótica ao pâncreas em Portugal facilita recuperação

Primeira operação robótica ao pâncreas em Portugal facilita recuperação
| País
Porto Canal / Agências

O Hospital Curry Cabral, em Lisboa, anunciou esta quarta-feira que efetuou pela primeira vez uma cirurgia robótica ao cancro da cabeça do pâncreas, que permite ao doente uma recuperação mais rápida e com menos dor.

A primeira duodenopancreatectomia por cirurgia robótica no país foi feita na terça-feira num homem de 58 anos, com um subtipo de tumor da cabeça do pâncreas, menos agressivo, embora maligno, chamado ampuloma, e o procedimento foi conduzido pelo cirurgião Emanuel Vigia.

Segundo disse à Lusa o diretor do Serviço de Cirurgia e da Unidade de Transplantação do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (que integra o Curry Cabral), Hugo Pinto Marques, a possibilidade de fazer a operação com recurso à robótica “é um avanço no país”.

“A possibilidade de fazer este tipo de cirurgia recorrendo a métodos menos invasivos, neste caso, a robótica, representa uma perspetiva muito boa para os doentes, no sentido de terem uma melhor recuperação de uma cirurgia que, normalmente, é muito complicada e agressiva”, explicou.

O clínico disse ainda que a cirurgia convencional deixa uma cicatriz “bastante grande” e “normalmente exige algum tempo de internamento”.

O recurso a um robô viabiliza o procedimento através de cinco orifícios até um centímetro cada, “é muitíssimo menos agressiva” e mais precisa, pormenorizou.

“É uma cirurgia com muito maior precisão, porque o robô permite um movimento que não tem tremor, mais preciso, com uma visualização da anatomia e das estruturas que é ampliada 10 vezes em alta definição. Portanto, permite uma ampliação do olho humano de uma forma um pouco diferente daquela que acontece numa cirurgia convencional”, frisou Hugo Pinto Marques.

Para o diretor do Serviço de Cirurgia e da Unidade de Transplantação do CHULC, onde são feitas em Portugal mais operações à cabeça do pâncreas, entre 100 a 150 por ano, a inovação permite “menos agressão para o doente e uma recuperação muitíssimo mais rápida”.

Embora esse fator esteja ainda em análise, “tudo indica” que “é provável que em termos de complicações no futuro a taxa seja menor” com a cirurgia robótica.

A operação, mais demorada do que a convencional, com a duração de cerca de cinco horas, levou aproximadamente 09:30 horas.

“O procedimento é mais demorado do que a cirurgia convencional, o que traz é mais benefícios para o doente, em termos de recuperação”, disse Hugo Pinto Marques.

O médico sublinhou o aumento, em termos globais, do cancro do pâncreas “em todo o mundo e também no nosso país”.

“A cirurgia é a única coisa ainda que cura o cancro do pâncreas”, referiu Hugo Pinto Marques.

A equipa, liderada por Emanuel Vigia, teve o apoio de uma equipa holandesa, no âmbito de um programa de formação europeu para este tipo de cirurgia.

A operação consiste na remoção da cabeça do pâncreas, do duodeno e de parte do estômago.

A cirurgia robótica está implementada no CHULC desde novembro de 2019, ano em que surgiu o primeiro equipamento deste tipo no Serviço Nacional de Saúde, segundo informação do Centro Hospitalar.

A utilização da robótica já se pratica em urologia, cancro colorretal, tratamento cirúrgico da obesidade, ginecologia e doenças hepato-bilio-pancreáticas.

Na véspera do Dia Mundial do Cancro do Pâncreas, em 15 de novembro, o médico Ricardo Rio-Tinto, presidente do Clube Português do Pâncreas falou à agência Lusa dos avanços que têm sido feitos nesta área e do aumento da incidência deste tumor em doentes mais jovens, entre os 40 e os 50 anos, sem os fatores de risco clássicos: consumo de álcool e tabagismo.

Apesar de o prognóstico global continuar a ser mau, tem-se assistido a um aumento lento, mas consistente da sobrevivência global ao fim de cinco anos, que passou de cerca de 5% para mais 11%, disse.

+ notícias: País

Passageiro detido com 6,2 quilos de cocaína no aeroporto do Porto

Um passageiro proveniente do Brasil foi detido no aeroporto do Porto após terem sido detetados 6,2 quilos de cocaína “dissimulada na estrutura de uma mala de viagem” que transportava, anunciou a Autoridade Tributaria e Aduaneira. 

Chave Móvel Digital regista 33 mil ativações com biometria "em apenas um mês"

A Chave Móvel Digital registou, "em apenas um mês de funcionamento", 33 mil ativações com biometria, "tornando-se no principal canal de ativações, com 29% do total realizado", foi esta sexta-feira divulgado.

Combustíveis descem já na próxima semana

A próxima semana será marcada por uma descida no preço dos combustíveis. A informação é avançada pela CNN Portugal, que apurou os valores junto a uma fonte de mercado, tendo por base os preços internacionais dos produtos refinados e do petróleo.