Câmara do Porto diz que abrigos invertidos são "melhor solução" em passeios estreitos

Câmara do Porto diz que abrigos invertidos são "melhor solução" em passeios estreitos
| Norte
Porto Canal / Agências

O vereador do Urbanismo da Câmara do Porto, Pedro Baganha, afirmou hoje que as paragens de autocarro invertidas são a “melhor solução” em ruas e artérias da cidade onde os passeios são estreitos para acomodar abrigos “normais”.

“Em algumas ruas, os passeios são demasiado estreitos para os abrigos serem normais. Não estamos habituados a ver as paragens invertidas, mas se formos a outros países da Europa, é uma norma porque defende melhor os clientes”, afirmou Pedro Baganha, em resposta a uma questão levantada pela vereadora do BE durante a reunião do executivo.

Questionado sobre o “grande alarido” em torno da instalação de paragens de autocarro invertidas na cidade, Pedro Baganha garantiu que esta é a “melhor solução” em determinadas ruas e artérias do Porto, caso contrário, a “opção seria não ter abrigo nenhum”.

“Não é a primeira vez que se ensaiam estes abrigos no Porto, já foi feito na Rua de S. Roque. Esta estranheza durou até virem as primeiras chuvas”, observou.

Já o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, esclareceu que os abrigos estão a ser colocados de forma invertida “não porque há um funcionário da câmara que é incompetente”, mas por “razões de equidade comercial”.

“Sabíamos que uma das condições de mudar esta questão na cidade passava pela substituição dos abrigos”, acrescentou.

Em resposta à Lusa, a Câmara do Porto adiantou hoje que à data da assinatura dos novos contratos estavam instalados 569 abrigos na cidade.

No âmbito da nova concessão já foram instalados 77 novas paragens.

As paragens da STCP estão a ser substituídas desde junho e, no total, estão em causa 650 abrigos, que deverão estar instalados até ao final do primeiro trimestre de 2023, "incluindo MUPIs, painéis e 'outdoors'", segundo a autarquia.

Em 02 de setembro, a Dreammedia, empresa responsável pela instalação de mobiliário urbano no centro do Porto, disse que o conceito das paragens de autocarro invertidas tem “uma lógica” e “bom senso”, tendo sido solicitadas assim pela autarquia.

"Há uma lógica, há um bom senso, e a equipa que gere a via pública na Câmara Municipal do Porto é extremamente profissional", disse à Lusa o presidente executivo da Dreammedia, Ricardo Bastos.

Em geral, "os abrigos são normais" e "apenas em casos excecionais e devidamente justificados, como o que disse anteriormente, é que os abrigos são colocados de forma invertida", clarificou.

A Dreammedia ganhou o lote relativo ao centro do Porto do concurso público de concessão de publicidade e mobiliário urbano lançado pelo município, e no conjunto dos lotes a autarquia estima receber cerca de 37 milhões de euros.

+ notícias: Norte

Incêndio em habitação faz quatro desalojados em Paços de Ferreira

Um incêndio deflagrou este domingo no sótão de uma habitação em Paços de Ferreira, no distrito do Porto, causando quatro desalojados, nomeadamente uma mãe e três filhos.

Implementação do Metro do Porto foi "processo de catequização"

O administrador dos Transportes Intermodais do Porto, Manuel Paulo Teixeira, disse que a equipa que lançou o Metro do Porto, da qual fez parte, fez "um processo de catequização" para convencer pessoas, autarcas a instituições.

Impedidos de entrar no Casino de Espinho agridem três PSP. Foram detidos

A polícia deteve três pessoas por injúrias e agressão contra três agentes da PSP que se encontravam ao serviço no casino de Espinho, este domingo.