Ucrânia: Moscovo recusa que Kiev seja representada na Rússia pela Suíça

| Política
Porto Canal / Agências

A Rússia anunciou hoje ter recusado que a Suíça represente diplomaticamente Kiev em território russo, argumentando que Berna "perdeu o seu estatuto neutral" ao sancionar Moscovo pela sua ofensiva militar na Ucrânia.

Na quarta-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros suíço anunciou que a Ucrânia desejava que a Suíça representasse os seus interesses na Rússia.

"Infelizmente, a Suíça perdeu o seu estatuto de Estado neutro e não pode agir nem como mediador, nem como representante dos interesses" ucranianos, declarou hoje à imprensa um porta-voz da diplomacia russa, Ivan Netchaïev.

O porta-voz confirmou que a Suíça tinha pedido o aval de Moscovo para ali representar os interesses ucranianos.

Mas condenou o apoio de Berna a Kiev e as sanções suíças impostas à Rússia, devido à invasão russa da Ucrânia.

"É completamente incompreensível que [um Estado] proponha uma mediação, uma representação ou outros serviços de boa-fé quando se comporta desta maneira", acrescentou Netchaïev.

Quando dois Estados cortam total ou parcialmente as suas relações, a Suíça, fazendo uso da sua neutralidade, está habituada a assumir uma parte das suas obrigações diplomáticas ou consulares.

A potência protetora permite aos Estados em causa manter um mínimo de relações e pode igualmente garantir a proteção consular aos cidadãos de um dos Estados no território do outro.

Foi no século XIX que a Suíça assumiu, pela primeira vez, o papel de potência protetora, representando em França os interesses do Reino da Baviera e do Grão-Ducado de Baden, durante a Guerra Franco-Prussiana de 1870-1871.

A atividade de potência protetora da Suíça atingiu o seu auge durante a Segunda Guerra Mundial, quando representou os interesses de 35 Estados.

O país alpino exerce atualmente menos de dez mandatos, um dos quais é o de representante dos interesses russos na Geórgia e dos interesses georgianos na Rússia desde 2009.

Representa igualmente os interesses do Irão no Egito desde 1979 e os do Irão no Canadá desde junho de 2019.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas de suas casas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de seis milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 16 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que está a responder com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca à energia e ao desporto.

A ONU confirmou que 5.401 civis morreram e 7.466 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 169.º dia, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão ser conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

+ notícias: Política

Manuel Pizarro renuncia cargo da empresa da qual era sócio-gerente

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, renunciou o cargo da empresa na área da saúde da qual era sócio-gerente. Segundo avança a 'SIC Notícias', o gabinete do atual ministro da Saúde adiantou que a "empresa em causa irá dar continuidade ao processo de dissolução".

CNE diz que propaganda política é “livre” e vê possível crime da Câmara de Lisboa

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) considera que a atividade de propaganda política é “livre” em locais públicos e que a retirada de ‘outdoors’ em Lisboa por parte da Câmara Municipal pode constituir crime.

Marcelo anuncia próxima reunião do Grupo de Arraiolos para 05 e 06 de outubro no Porto

O Presidente da República anunciou esta quinta-feira que a 18.ª reunião do Grupo de Arraiolos, que junta anualmente chefes de Estado não executivos da União Europeia, se irá realizar em 05 e 06 de outubro do próximo ano, no Porto.