Taxas de retenção e abandono escolar sobem em todos os níveis de ensino, à exceção do 12.º ano

| País
Porto Canal

É a primeira vez em oito anos que as taxas de retenção e abandono escolar, sobem em todos os níveis de ensino, à exceção do 12º ano. Ao que apurou o Porto Canal, em 2020/21, a percentagem de alunos que não terminou o ano letivo voltou aos níveis antes da pandemia.

Filinto Lima, Pres. da Ass. de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, disse em declarações ao Porto Canal, que "a descida em ano de pandemia tem a ver com os critérios de avaliação que as escolas aprovaram", tendo em conta as grandes dificuldades em relação ao processo de aprendizagem.

Ao que apurou o Porto Canal, o relatório Estatísticas da Educação, agora conhecido, fixa a taxa de retenção e abandono, em todo o ensino básico, em 3,1% o que se explica em cerca de 62 mil estudantes que chumbaram ou desistiram dos estudos.

 

+ notícias: País

Adeptos do Hajduk Split cantam “Força Benfica” no D. Afonso Henriques. Veja o vídeo

Os adeptos do Hajduk Split mostraram referências ao Benfica em pleno Estádio D. Afonso Henriques, em jogo contra o V. Guimarães, a contar para a 3ª eliminatória da Liga Conferência. Estas referências ao clube da luz não são surpresa, uma vez que as claques “Torcida Split” e “No Name Boys” têm um histórico de amizade que perdura, desde a década de 90, como ficou provado nos desacatos que ocorreram na cidade berço, na véspera do encontro.

Sérgio Figueiredo recebeu 2.300 euros por dia durante 13 dias da Câmara de Lisboa

A empresa detida pelo antigo diretor da TVI, em sociedade com a namorada, Margarida Pinto Correia, foi contratada em 2020 pela Câmara Municipal de Lisboa, à data liderada por Fernando Medina, para realizar vídeos “filmados pelos telemóveis das próprias figuras públicas envolvidas” para promover o comércio local. O contrato foi avaliado em 30 mil euros e executado em 13 dias.

Elevada rotatividade de professores afeta mais as escolas carenciadas, revela estudo

A rotatividade de professores “é elevada” e “preocupante” em Portugal, segundo um estudo nacional que revela que é nas escolas socioeconómicas mais desfavorecidas que os docentes menos querem estar.