Jovens vandalizam escola para jogar futebol em VN de Gaia

| Norte
Porto Canal

O Jardim-Escola João de Deus, em Vila Nova de Gaia está a ser alvo de vandalismo e entradas forçadas no recinto. Os jovens foram captados, pelas câmaras de vídeo vigilância, a forçarem a entrada na escola para um simples jogo de futebol. 

Ao que o Porto Canal sabe, a direção da escola situada junto ao bairro do Cabo-Mor, disse que nada tem sido feito por parte da Polícia de Segurança Públlica para conter a situação e identificar os autores. A escola queixa-se ainda de estar a ser "ignorada" pelo poder político, apesas das múltiplas queixas nos últimos anos. 

Questionada pelo Porto Canal, a Câmara de Vila Nova de Gaia revelou, em comunicado, que têm chegado "alguns relatos de munícipes de situações de ruído, vandalismo, insultos e outros eventos, mas que “estas situações devem ser, e têm sido, reportadas à Polícia de Segurança Pública.

Já a direção do Jardim-Escola João de Deus, em Vila Nova de Gaia, pediu, segundo sabe o Porto Canal, à autarquia medidas eficazes e mais patrulhamento para dar resposta ao problema.

+ notícias: Norte

Viaturas de adeptos croatas vandalizadas na Trofa. Veja as imagens

Pelo menos sete viaturas com matrícula da Croácia e outras nacionalidades, como Bósnia, foram vandalizadas esta tarde, junto da Estação Ferroviária da Trofa. As viaturas pertencem a adeptos do Hajduk Split, clube que esta tarde defrontou o Vitória, em Guimarães.

Entre os danos, contam-se vários vidros partidos e pneus furados.

Jornalistas agredidos por adeptos do Hajduk Split em Guimarães

Jornalistas e repórteres de imagem foram agredidos esta noite, cerca das 20:05, durante a saída dos adeptos do Hajduk Split do Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Através das imagens da Sporttv, que se encontrava em direto, é possível ver alguns jornalistas e repórteres de imagem a serem alvo de pontapés e outras agressões por parte da claque croata.

Utentes da CERCI Braga em risco de ficarem sem apoio 

A CERCI de Braga pode ter de fechar as duas residências para pessoas com deficiência intelectual viverem de forma mais autónoma. Em causa está a falta de acordo de cooperação com a Segurança Social.