Info

Ministério Público acusa seis arguidos de desviarem dinheiro de empresa municipal da Maia

| Norte
Porto Canal com Lusa

Maia, Porto, 14 out 2021 (Lusa) -- O Ministério Público (MP) acusou seis arguidos de peculato, "por apropriação indevida de dinheiros da SMAES -- Serviços Municipalizados de Eletricidade, Água e Saneamento da Câmara Municipal da Maia", anunciou hoje a Procuradoria-Geral Regional do Porto (PGRP).

Em nota publicada na sua página da Internet, a PGRP refere que os crimes foram cometidos entre 2013 e 2018.

"Nos termos da acusação, cinco dos arguidos ao tempo dos factos da acusação exerciam funções no Conselho de Administração e, simultaneamente, eram membros do executivo da Câmara Municipal da Maia, sendo que um sexto arguido era funcionário da Câmara Municipal tendo sido nomeado Diretor-Delegado da SMAES", conta a PGRP.

O MP sustenta que, "como consequência da atuação dos arguidos, o erário público sofreu um prejuízo global" de quase 53 mil euros, dinheiro que corresponde "ao valor pago indevidamente pela empresa municipal local em benefício dos arguidos".

"Foram também requeridas contra os arguidos em exercício de funções a aplicação de sanções acessórias de perda de mandato e de proibição do exercício de função. O MP deduziu pedido de perda de vantagens da atividade criminosa contra quatro dos arguidos apurada à luz do património incongruente e, ainda, pedido de perda das vantagens diretamente obtidas com os factos ilícitos descritos", refere a PGRP.

O MP conta que os arguidos, entre 2013 e 2018, "atuando em comum acordo, apresentaram a pagamento ou solicitaram o reembolso de diversos valores, sob o aval" do Conselho de Administração da SMAES, "pretensamente referentes a serviços obtidos ou compras efetuadas no interesse e em benefício do Serviço Municipal, o que não correspondia à verdade".

Segundo a acusação, entre os reembolsos solicitados, estavam valores "referentes a almoços e jantares, quer em dias de semana como em fins de semana, e outras despesas pessoais, tratando-se de despesas que já se mostravam abrangidas por ajudas de custo ou despesas de representação de que também eram beneficiários, duplicando o respetivo recebimento".

"Mais diz a acusação que os arguidos adquiriram equipamento informático para uso e benefício próprio, justificando o pedido de reembolso ou a sua aquisição como se fosse equipamento necessário e essencial ao exercício da função", refere a acusação do MP, citada pela PGRP.

O MP concluiu "que os arguidos atuaram com o conhecimento das funções e cargos que ocupavam, beneficiando dos mesmos para se apoderarem ao longo dos anos dos vários pagamentos indevidamente autorizados e processados a favor dos próprios".

A acusação esteve a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) Regional do Porto, 1.ª secção, crime económico-financeiro e crime violento.

JGS // JAP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Hospital de Braga espera "para breve" consenso com chefes de equipa da Urgência

A administração do Hospital de Braga garantiu hoje, em comunicado, que há “avanços positivos no diálogo” com os chefes de equipa do Serviço de Urgência, adiantando que “espera alcançar um consenso em breve”.

Assalto com arma de fogo ao Posto dos Correios de Valadares, em Vila Nova de Gaia

Um motociclista, munido com uma arma de fogo, assaltou hoje o Posto dos Correios de Valadares, na Rua Ferreira de Castro, em Vila Nova de Gaia, tendo conseguido fugir às autoridades, revelou à Lusa fonte da PSP.

Juiz de instrução do Porto manda julgar grupo familiar por escravizar 14 pessoas

Um casal e um filho de ambos vão a julgamento por sujeitarem pelo menos 14 pessoas fragilizadas a trabalho escravo em explorações agrícolas espanholas, entre 2011 e 2016, determinou um juiz de instrução criminal do Porto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.