Info

Linha do Douro até Barca d'Alva é um objetivo para concretizar

Linha do Douro até Barca d'Alva é um objetivo para concretizar
| Política
Porto Canal com Lusa

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, garantiu hoje que a reabertura da Linha Douro entre Pocinho e Barca d' Alva é um objetivo para concretizar, para a qual terá de ser encontrado financiamento.

"O [troço] Pocinho - Barca d'Alva não está em nenhum programa neste momento, mas nós achamos que, no quadro da elaboração do Plano Ferroviário Nacional, com certeza que essa extensão vai constar e nós, agora, temos de arranjar financiamento", afirmou.

Pedro Nuno Santos falava na Covilhã, distrito de Castelo Branco, à margem da cerimónia que assinalou a reabertura do troço Guarda-Covilhã na Linha da Beira Baixa e durante a qual o presidente da CP, Nuno Freitas, lançou o desafio público para que aquele lanço da Linha do Douro seja reativado.

"Portugal não se pode dar ao luxo de ter uma infraestrutura destas desativada", afirmou o presidente da CP, lembrando que está em causa uma ligação num território que é Património da Humanidade e que representa uma das poucas marcas nacionais de alcance global.

Nuno Freitas lembrou que o Parlamento está unido na recomendação para que este troço reabra e considerou que o "Governo está no lugar certo e no momento certo" para "devolver a todos os portugueses um extraordinário legado ferroviário".

Na resposta, Pedro Nuno Santos assumiu que a ligação Pocinho-Barca d'Alva é um "objetivo" para concretizar, tendo lembrado que o debate do Plano Nacional Ferroviário, que foi agora lançado, é a oportunidade para assinalar como prioridade a concretização da modernização e eletrificação desse troço.

Sem se comprometer com datas, o governante assumiu ainda que essa pode ser mais uma peça para tirar o melhor proveito do Douro.

"Quando tivermos o Douro devidamente explorado, não há cá Toscânia que nos bata", acrescentou.

A Linha do Douro desenvolve-se ao longo de 191 quilómetros, de Ermesinde (Porto) a Barca d´Alva (Guarda). O encerramento da ligação internacional ocorreu em 1985 e o lanço entre Pocinho e Barca d´Alva encerrou em 1988. A eletrificação está concretizada até Marco de Canaveses (Porto).

A Associação Vale d'Ouro considerou, no início de março, inexplicável que a Linha do Douro "esteja fora" do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e defendeu que a sua reativação até Salamanca, Espanha, promoveria novas oportunidades de negócio para a região.

A Associação Vale d'Ouro, sediada no Pinhão, concelho de Alijó, distrito de Vila Real, participou na consulta pública do PRR proposto pelo Governo, defendendo o investimento na Linha do Douro como "o motor de recuperação da economia na região e uma ferramenta que permitirá alcançar maior resiliência a desafios futuros".

Segundo um especialista em ferrovias consultado pela Lusa, o troço de linha que liga a estação do Pocinho a Barca d'Alva foi construído em 1887, foi uma das grandes obras de engenharia ferroviária da Península Ibérica e funcionou quase um século, tendo encerrado em 1985.

Este troço insere-se num traçado de cerca de 30 quilómetros por entre túneis e pontes "de grande imponência", mas está ao "abandono".

+ notícias: Política

Rui Moreira diz que PRR vai ser usado como "financiamento à capital"

Rui Moreira diz que PRR vai ser usado como "financiamento à capital"

Marcelo Rebelo de Sousa defende que fundos do PRR têm que ser geridos de forma descentralizada

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República Portuguesa, afirma que é "muito importante" que os fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) seja geridos de forma descentralizada, não deixando de salientar que apenas vai discutir a Regionalização depois das Eleições Autárquicas, mas que a solução pode passar pelo reforço de competências de das CCDR's.

Marcelo não acredita que exploração de lítio na Serra d'Arga vá avançar

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República Portuguesa, disse aos populares, durante a visita a Caminha, que não acredita que a exploração de lítio na Serra d'Arga vá avançar porque o estudo de impacte ambiental foi enviado e não seria um processo fácil de ser conduzido.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m